Falou em Tailândia a gente já pensa em…


Eu sei que você estão loucas pra saber porque eu sumi do blog e das redes sociais nesse fim de semana, pois fiquem espertas que assim que essa ressaca acabar vou escrever um BCG hiper polêmico, envolvendo sexo explícito, barzinho e máquinas de caça-níquel.

Mas enquanto meu fígado não se recupera, dá uma olhada na propaganda de sutiã abaixo:

[youtube http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=p9HNbnhid9U]
03216

Valorizo

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: O drama do encubado]


Na edição de hoje vamos falar de uma bee que está preocupadíssima com a situação que está vivendo.

O boy dizia não gostar de gays, parecia ser até meio homofóbico, mas algo inesperado aconteceu…

A minha opinião é a mesma de sempre: Boy encubado, que dá uma de homofóbico e ainda namora mulher = CI-LA-DA!

Mas as gays não aprendem, elas sonham com um príncipe encantado, machão e que não dá pinta, percebem que a maioria absoluta dos gays não é assim e acabam se apaixonando por esses frustrados que só as querem como depósito de esperma.

Mais ou menos assim:

Pior ainda se eles dão um pouco de carinho, aí fodeu, porque na cabeça delas esses héteros que pegam gays são trogloditas daqueles que só afastam a calcinha da racha e enfiam a neca, sem o menor romantismo.

E não é assim, na maioria das vezes eles são carinhosos, aliás, homem é carinhoso com qualquer pessoa que chupe bem, essa é a grande verdade.

A minha dica é: CORRA, desencane, bebê, ele não vai largar a namorada de anos para ter uma relação contigo. Ainda mais uma relação escondida, cheia de preconceitos e baseada em sexo que só acontece quando ele está bêbado.

Mas é como dizem, né? Aprender se fodendo é a melhor maneira de não repetir o erro.

Enfim, como o Kooriosidades é sempre uma via de mão dupla, o quê vocês, leitoras lindas, acham disso?

Tá com um dilema de natureza sexual, social, econômica ou médica? Mande sua dúvida para max_babadocerto@hotmail.com, a tia Max consultará os universitários para tentar resolver o seu problema.

Gosto de homem, pica é consequência… será?


Desde o post da Léo Áquila falando sobre homens que ficam com travestis e a problemática em determinar a sexualidade deles, conversei com um amigo meu, gay e ativo, sobre essa questão.

A opinião dele me pareceu bastante preconceituosa quando ele disse que “gay gosta de pênis, se meu namorado não tivesse pênis eu não sentiria atração por ele.”

E completou: “Se esses homens que procuram travestis só quisessem sair com alguém mais liberal não precisariam sair com travesti, o que não falta no mercado são mulheres que fazem penetração com cinta nos clientes. São no mínimo bissexuais que não têm coragem de ficar com outro homem”.

Já eu achava que pênis era apenas uma “consequência do homem”, que nós nos atraíamos pela imagem masculina ou por resquícios dela (no caso de bee’s mais afeminadas) e esperamos que ali exista um pênis, claro, mas ele não seria o ponto-chave da atração, uma vez que travestis têm pênis e nem por isso nós gays nos atraímos por elas (ser mulher não se resume a ter rachada), certo?

Entretanto, voltando num post sobre transexuais Female to Male (de mulher para homem), observei que a maior parte dos leitores, tanto aqui quanto no Facebook, sentiram-se atraídos pela imagem, mas seriam incapazes de fazer sexo com eles devido à falta do pênis. Dando total razão ao que o meu amigo falou comigo lá em cima… e agora, Glória?

Será que o mesmo acontece com homens heterossexuais “de verdade” diante das travestis, quer dizer, que os homens heterossexuais sentem-se atraídos por elas fisicamente, mas quando descobrem que existe ali o pênis em vez da vagina, acontece a repulsa sexual assim como acontece conosco diante de um transexual female to male?

Ou será que tudo isso é apenas um reflexo da nossa cultura que segrega as sexualidades e nos obriga a deixar sempre claro por qual “padrão” nós nos atraímos? Sem nos dar a liberdade de experimentar e sentir novas formas de prazer, já que nós não fazemos sexo somente para a reprodução?

Aliás, eu mesmo já fiz sexo com homem, mulher, gnomo, seres de luz e entidades satânicas, e nem por isso deixei de ser gay… eu acho. Ser gay não é nada além de um rótulo, jamais vai conseguir representar a individualidade dos que fazem parte do grupo.

O que as senhoras acham? Vamos votar?