Passiva esforçada merece ser valorizada


Elas fazem de um tudo pra agradar o bophe: enfiam mangueiras no edí para fazer a chuca, depilam o koo com gillete, ficam até 8 horas sem comer antes do sexo com medo de passar cheque. E o bophe? Mete e dorme!

Outro dia, conversava com uma bibinha desesperada, pois, dizia ela que mesmo fazendo a chuca antes de sair de casa, como só ia pra cama com o cafuçu muito tempo depois sempre checava o bophe. Consolei a pobre bee que dizia ficar extremamente encabulada com a situação a tal ponto que estava pensando em deixar de fazer sexo (elas são dramáticas mesmo!).

Eu mesmo já fiz absurdos para não checar. Uma vez, no desespero, usei a milenar técnica (eu diria até ecológica) da Garrafa Pet para fazer a chuca. Ah, vocês sabem, né? o blog Meu Melhor Amigo Gay explica:

Encha a garrafa com a água morna. Mas é morna quase fria, se não vai acabar assada antes da hora.

A parte emocionante. Pegue a garrafa e encaixe no seu bumbum lindo. Aprovita o formato e já vai enroscando mesmo, amiga. Não sinta vergonha de ter uma garrafa pet cheia de água colada no cu. Quebre qualquer barreira do ridículo com essa técnica sensacional.

Enroscou? Então aperte a garrafa. E deixe a água jorrar. E vai bombando feito uma louca aquilo no seu perigo apertado. Sinta o fluxo.

Deu super certo, apesar de que o sexo durou pouco menos de 30 segundos :(!

Mas o que venho pedir aqui é pras gueis capixabas que estão fazendo a ativa. Gatas, valorizem a passiva que fez de um tudo pra te satisfazer da maneira mais linda, gostosa e limpa. Não é pra falar “Arrasô na chuca!”, sua louca! Use algum eufemismo, sei lá, “Que bundinha gostosa de se comer” ou coisa do tipo, entende? Faça valer a pena!