PM capixaba é o primeiro do país a oficializar união homoafetiva


O policial militar, Darli Manoel Manenti de Souza, 48, é o primeiro policial militar do país a oficializar, perante a Justiça, uma união homoafetiva. Antes que a decisão do Supremo sobre a união estável entre pessoas do mesmo sexo fosse aprovada, conseguiu ter Antonio Pereira de Souza, 48 anos, como seu dependente.

Sobre o preconceito, o cabo conta que no início sofreu preconceito, mas hoje a frente do grupo de teatro da instituição e há 24 anos na corporação, diz que a situação é diferente.

“Todo mundo sempre soube da minha situação. As pessoas aprenderam a me respeitar porque, acima de tudo, sou policial e tenho orgulho da profissão que escolhi”.

O casal, promete uma festa com tapete vermelho e 300 convidados. No convite, as cores da bandeira gay. Arrasa, bee!

P.S: Juro que não sabia que a Polícia Militar tinha grupo de teatro.

Enquanto isso, na Argentina…


Desculpem a demora pra postar, sapas e gueis do meu Brasil varonil, maaaas minha vida acadêmica anda entediante, a conta do boteco só aumenta e a festa de 80 anos de minha querida vovó está me deixando de cabelos brancos.

Por falar em cabelos brancos…

Pra quem não sabe nossos “hermanos” já legalizaram a união homoafetiva e enquanto discutimos sobre o Programa Nacional dos Direitos Humanos, o primeiro casamento lésbico já foi realizado pelos lados de lá.

declaradas mulher e mulher!

A argentina Norma Castillo e a uruguaia Ramona Cachita Arévalo, casaram-se sexta-feira (09/04), em Buenos Aires. As “tiazinhas” de 67 anos, que já tinham um relacionamento de 30 anos, puderam oficializar a relação graças a uma autorização judicial.

Esse é o terceiro casamento entre homossexuais do país e o primeiro casamento lésbico. Acho digníssimo!  Enquanto tem gente correndo de casório, tem gente correndo pra casar. Já sabem a direção, né?

Beijopraquemjáachouapessoacerta