Somos todos transexuais!


“Sou trans e você?”

Li que o superstar pornô gay François Sagat, no documentário sobre sua vida, abre seu coração e de certo modo desglamuraliza a idealização do universo das mega-indústrias de produção de materiais adultos. Entre várias coisas, ele diz, por exemplo, que é incapaz de amar. Mas o que me chamou a atenção foi isto aqui:

Ao mesmo tempo, ao descontruir o ator pornô como ícone do sexo, François também nos mostra como este ideal é construção. Ele era uma criança afeminada, sofria bullying na escola. Contra isto, ele construiu uma imagem supermasculinizada, horas de academia e a aplicação de testosterona. Ele diz algo intrigante ao assumir que se considera um transexual, pois procurou a imagem que o satisfazia e achava adequada para o seu corpo.

Gente, daí eu comecei a refletir e pensei como isso acontece com todos nós, especialmente com nós gays. Partindo da lógica de que transexuais são aquelas pessoas que acreditam que sua identidade sexual não é compatível com seu corpo biológico e que por isso na maioria das vezes fazem intervenções sobre ele para adequá-lo àquela condição, podemos dizer que todos nós temos um devir trans.

Dou-me como exemplo. De certo modo me enxerguei no que disse Sagat, dadas as devidas proporções. Eu gosto de estar barbudo e usar um estilo mais boyzinho certinho, digamos assim. Isso é totalmente compatível com o que busco no sexo e no parceiro, pois curto aquela pegada cheia de testosterona, pelos, pegada bruta vindas de ambos os lados.

Assim também é o Max, por exemplo, em que a natureza privilegiou com uma androgenia natural, mas que ele exagera com recursos artificiais (corte de cabelo, roupa, maquiagem). Ele poderia aplicar testosterona e virar menininho, poderia aplicar estrogênio e virar menininha, mas ele optou – aí sim é uma opção, diferente da sexualidade – por uma questão de identidade e de realização pessoal. Assim como ele, eu e você.

“A gente faz de um tudo”

Aquele rapaz da academia que malha como doido, aquele que nem liga e come pra ficar gordinho, aquele que faz o corte modernete, aquele que tatua um dragão nas costas, aquele que usa óculos de aro grosso, aquele que raspa o peito, aquela sapa que parece um sapo… Todos estão passando uma mensagem ao mundo e alguns signos tratam de questões ligadas a preferência sexual, basta lê-los. No fundo, tentamos parecer aquilo que queremos que as pessoas creiam que sejamos. Claro, que tudo ditado pelas relações que compartilhamos com nossos convivas e pela cultura de nossa época.

Aliás, o poder de artificialidade está bem representado no trabalho do fotógrafo francês Leland Bobbé intitulado “Metade-Drag”. Nele, drags foram fotografadas com apenas metade do rosto maquiado. Chupa (tape metade do rosto nas imagens e veja a diferença):

Veja mais fotos clicando aqui.