Babado, confusão & gritaria [Max in Rio]


Não, lindas, não voltei pra Vitorinha ainda.

Fui básica

Só volto amanhã, mas não aguento esperar para contar pra vocês toda a dor e a delícia de visitar do luxo ao lixo da noite caiuóca.

Cheguei na quarta e nesse mesmo dia fui ao Cine Ideal, quinta bebi todas na Lapa com três bee’s que conheci por lá: Carmen Carrera, Sheldon e Daniel, e sexta fui à Pipper, aquela delícia.

Até aí tudo bem, fui super comportada e não fiz nada além de assustar criancinha e confundir homens heterossexuais… entretanto, sábado fui ao BURACO DA LACRAIA!

Eu, quando passei pela porta:

A Tchynna sempre falou muito sobre essa boate aqui, e por mais que eu estivesse preparado para o impacto que o local causa, nada se compara à sensação de ver pessoalmente.

Assim que você chega na escada já dá de cara com um despacho gigantesco de macumba, imagens de São Sebastião e obras de arte com temas candomblecistas. Todas conferindo um clima místico ao lugar.

Estava amando aquilo tudo ATÉ a hora que abri a porta dos desesperados no segundo andar.

Beeshas, cês se lembram daquele jogo do Silent Hill, no qual o boy entra no espelho e do outro lado todas as pessoas viram monstros? Pois foi o que eu senti quando passei pro lado de dentro da boate.

Falando sério, vocês sabem que meu leque de opções quanto à beleza masculina é tão aberto que já virou um círculo, mas puta que me pariu, eu nunca vi tanta gente feia concentrada num lugar só. Até as Barbies pareciam aquelas versões de 1,99 da boneca.

Aliás, algumas em vez da cabeça da boneca tinham a cabeça do Chucky, o brinquedo assassino.

Assim que me acostumei com o ambiente exótico, outro susto, um boy parou na minha frente tentanto me pegar. Quase tropecei e caí dentro dos poros do rosto dele. Eram tão profundos que sem dúvida nenhuma as bactérias já tinham formado burgos e estavam fazendo comércio entre os buracos, tal qual o Feudalismo.

Jarro de Captura de Dragões, mantenha sempre essa carta no seu deck

Mas a coragem é uma característica inerente a toda beesha, e uma amiga nossa, que está me hospedando aqui, aproveitou o clima religioso da boate para incorporar São Jorge. Só isso explicaria a quantidade de dragões que ele matou.

Amei DEMAIS o lugar, acho sucesso ambientes bagaceiros nos quais o banheiro é apenas um grande mictório… a gente se sente num banquete de necas.

E, por fim, me sentei num cantinho e encontrei o cartãozinho de um psicanalista. Aposto que ele já sabia que, diante do trauma, alguém fosse precisar dos seus serviços.

Domingo fomos à Parada. A ressaca não mais me incomodava, mas eu parecia um artesanato de bolas de soprar, de tão inchado que fiquei.

Que maravilha de evento, muita cerveja barata, muito boy magia, centenas de rachas perigosonas fazendo cosplay de Mc Beyoncé e muito bi curious se fingindo de bêbado pra dar em cima das beeshas.

Já chegava assim nos cafuçus:

Encontrei váááárias cabixabas que gritavam meu nome na rua, até um cliente da época que eu era p… é… deixa pra lá.

Vejam algumas fotos:

Via g1

Tchynna in Rio: Buraco da Lacraia


A lacraia é outra

A lacraia é outra

Beeshosas, essa semana está bombando. Eu nem ia mais falar sobre a minha última viagem ao Rio de Janeiro, mas como prometi, tenho que cumprir. Pois é, foram dias bem agitados e Tchynna que não é boba nem nada aproveitou cada segundo – se eu pudesse tinha emendado os feriados. Enfim, estava eu, linda e sempre gostosa, na praia do Leblon – porque sou chique – tomando aquele sol e de olho nas celebridades na areia, quando me ligou uma amiga que mora em Madureira – tadinha dela, mora maaaal. Trocamos umas fofocas rapidinho e ela me chamou para ir num lugar chamado “Buraco da Lacraia”. Já fiquei animada, pois queria estrear minha calça da Gang e um baile funk seria tudo. Ela então me disse que o Buraco não tinha nada a ver com a Lacraia e que também não tocava funk. Fiquei triste, mas ela disse que era Open bar e os garçons ficavam pelados! Enlouqueci e marcamos de nos encontrar em frente o babado.

Paisagens de quebra-cabeça

Paisagens de quebra-cabeça

Na hora marcada, o meu táxi parou em frente ao tal Buraco da Lacraia ou Stars Club, o nome oficial. Minha amiga chegou atrasada, mas com uns cafuçus babados. Fiquei de olho e salivando. Entramos na casa e era uma decoração cafonérrima, cheia de quadros de quebra-cabeça e duas televisões de plasma. Achei tudo! Adoooro essas coisas trash bueiro. Procurei os tais garçons pelado e não achei. Fiquei puta!  Tomei duas doses de caipirinha e fui explorar a casa. A entrada dava para um salão com os quadros, as tvs e um bar onde vendiam as bebidas – open bar era só para caipirinha, cerveja, refri e água. Do lado do bar, uma placa indicava que ali era um “Anexo”. Outro ambiente do lado, mais um bar e o concorrido videokê. Minha amiga disse que o tem figuras que vão sempre cantar lá e que rola até uma certa concorrência.

Subi uma escada e dei com mais um andar. O Buraco é imenso. No andar superior, várias mesas de sinuca, uma área externa e finalmente um pista de dança babadeira! Tudo muito trash, uma verdadeiro inferninho. Na hora que eu pisei na pista começou a tocar Rihanna, já me joguei louca. Lá em cima tinha outro bar e eu já ia pegar um drink quando um cufuçu apareceu só de avental e um garrafa de cerveja. Finalmente, os tais garçons pelados! Eram dois, um era pegavel, já o outro a gente abafa. Do lado da pista um super canto escuro. Pensei até que era o dark room, mas avisaram que não.

Videokê babado!

Videokê babado!

Dancei, dancei, dancei. O lugar começou a encher, minha amiga encontrou várias vizinhas de suburbio. Muitas nessies, várias cacuras, poucos bofes escandalos e alguns cafuçus do bem. Achei uma passagem secreta e fui dar pinta no videokê. Bees, lá era babado. Ri horrores. Fiz torcida e o povo quis porque quis que eu cantasse. Deixei para outro dia. O otim bateu e eu fui beber mais ainda. Resolvi pegar uma dose de vodka quando vi que as beeshas estavam entrando no tal “Anexo”. Curiosa, corri para lá. Um tia louca ficava na porta sentada numa mesinha. Disse que eu tinha que pagar R$ 1 e deixar celular e carteira com ela, por segurança. Comecei a achar estranho, minha amiga contou que o tal “Anexo” era a Dark Room. Ba-ba-do! Deixei as coisas com a tia e ela passou esmalte no meu pulso, era para eu poder entrar e sair sem precisar pagar sempre.

Um corredor escuro e uns gemidos. Fiquei curiosa. O Anexo era um mundo paralelo dentro do Buraco da Lacraia. Quando finalmente entrei me deparei com cenas loucas. Maaaas, só vou contar depois, no último texto sobre essa viagem ao Rio. Beeshosas, foi bafoento! Aguardem! Beijuxxxxxxxx