O beijo que pesa como uma bomba


Beijo Felix

Parecia final de Copa do Mundo, Brasil e Argentina. As bichas todas reunidas em volta da televisão, tomando uma cervejinha e comendo uns quitutes. Toda vez que o Félix e o Niko ficavam um pouquinho mais juntos todo mundo gritava ao mesmo tempo, uma loucura: “AI, MEU DEUS, AGORA VAI!” “VAI, VAI, VAI!”, “BEIJA LOGO, GARÁLEON!”. Um nervosismo…

[Afinal era o final da novela Amor à Vida e pela primeira vez a emissora de TV mais popular e tradicional do país, a Globo, havia dado sinais de um possível beijo entre dois homens em uma de suas novelas – verdadeiros monumentos da cultura de massa nacional – o que até então era um tabu (em 2005, na novela América, um beijo gay chegou a ser gravado, mas foi vetado de última hora). Ou seja, bizarramente, era um momento histórico na televisão do Brasil, desses de contar pro netos, “eu tava lá”, quando reexibido na retrospectiva de 2050].

Ai foram todas aquelas cenas de final de novela, gente casando, gente parindo, gente reunida e festejando… As gueis ansiosas, viravam especialistas em teledramaturgia e ficavam comentando os furos no enredo, como o naquela cena bizarra dos comparsas da Aline entrando com um bolo (um bolo, gente!!!) INTEIRO, ENORME, dentro do presídio! rs. Todos ficaram chocados (desculpa pelo trocadinho infame) e amaram a morte da vilã. Foi inédita e inovadora. Depois veio aquele monte de cena de perdão ao Félix. No fim das contas, o enredo na novela tornou-se a redenção desse personagem.

O capítulo da novela já ia para mais de duas horas, quando Félix e Niko, na sua casa de praia riquíssima – onde moram com seus filhos e com o Cesar, pai do ex-vilão -, ficaram sozinhos… Aquela tensão já tomou toda a sala, ficamos todos em silêncio, mãozinhas dadas, vidrados na telinha. Os dois se aproximaram e o personagem do Thiago Fragoso passou os bracinhos em torno do pescoço do personagem do Mateus Solano. Já pensei: se for para ser vai ser agora. Um misto de esperança e de ódio me consumiu, pois se com aquela ação eles ainda não se beijassem seria muita filhadaputice da Globo.

Os dois se entreolharem, cada um com a cabecinha levemente virada para o lado e Félix disse emocionado: “Eu não vivo sem você, Carneirinho”. Daí eles foram se aproximando e…

*BOOM*

*BOOM*

Os viados ficaram loucos. Gritavam, pulavam, soltaram fogos. Todo mundo saiu na varanda ensandecida fazendo barulho comemorando a grande vitória. PUTA QUE PARIU!!!!! Filmei nossa reação quando houve o beijo, cata, mona:

Como esperado, o beijo caiu como uma bomba no país. As redes sociais foram tomadas de reações a cena. Muitas positivas e lindas! O dia 01 de fevereiro acabou virando o Dia Nacional do Beijo Gay. Uma onda de amor tomou o país! ❤ Pessoas se abraçando, dando beijaços, compartilhando mensagens de respeito e defesa a homoafetividade. Muitos perfis do face foram trocados pelo frame da cena do beijo. Foi coisa linda de se ver.

No outro dia TODOS os reacionários nacionais e locais estavam aos jornais esbravejando, ameaçando (alguém me explica porque quando o tema é gay NECESSARIAMENTE a fonte ouvida é um religioso cristão?). Quanto mais eles ficavam nervosos mais as gays gozavam de amor e alegria:

Um dos melhores tuítes, aos reacionários foi este:

E claro, teve autor de novela que ficou queimadíssimo. Lembram disso:

Aguinaldo Silva Sobre Beijo Gay

“Tá feio, tá eshcroto”

É aquilo, né, quem nasceu para Clô, nunca vai ser Félix. Beijos, Gui!

Enfim, algumas considerações sobre o beijo:

  1. Foi tardio: o fatídico beijo-gay-na-novela-da-Globo veio super tarde. Tão tarde, mas tão tarde que nem soou mais como algo revolucionário, moderno, etc. Não havia nada de avant-garde nele. Soou mais como uma corrida atrás de um tempo perdido, a emissora perdeu o timming da mudança de costumes na sociedade e transformou a coisa em algo muito maior do que precisava ser. Mas, antes tarde que nunca, né?
  2. Foi elegante: a Globo cumpriu o que prometeu. Querendo agradar gregos e troianos, a cena foi exatamente como anunciada, não foi apenas um selinho chocho, mas também não foi um beijão de língua ultra-erótico. Ficou uma cena de bom gosto que não fez ruir a tradicional família brasileira.
  3. Foi político: é ingênuo acreditar que não há articulação entre política, afeto e cultura de massa. Os discursos estão aí circulando e modificando a sociedade. Cenas como essa vão naturalizando as relações LGBTs e, se não aprovadas, pelo menos estimulam o respeito às diferenças.

O mais lindo foi que logo após o beijo veio aquela cena lindíssima do Félix e do César, observando o pôr do sol, ambos se perdoando. Foi lindo pois lembrou a todos – logo depois do beijo – que o gay tem uma família e que muitas vezes ela é, antes mesmo da sociedade, seu próprio inferno particular. Acabou que essa cena foi mais importante e emocionante que o próprio beijo e deu a sustentação afetiva para a cena anterior.

felixpai1 felixpai2

felixpai3 felixpai4

felixpai5 felixpai6

felixpai7 felixpai8

felixpai9felixpai10

Foi um final de novela lindo como a muito tempo não se via. É inegável que a cena só ficou tão perfeita e emocionante (quem não chorou tem uma pedra no lugar do coração) graças ao talento, experiência e sensibilidade de um Mateus Solano e de um Antônio Fagundes. Para vocês entenderem o peso que a cena teve leia esse relato de um gay a uma colunista do IG (um dos vários que surgiram na rede):

“…estavam todos na sala… eu no sofá quando o Felix beijou o carneirinho… Silêncio… Fiquei quieto também pra não dar motivos, embora estivesse fazendo a drag por dentro… Mas a cena final, do Felix e do César, eu não aguentei, veio um choro descontrolado que estava preso esses quatro anos que não falamos direito.., estava total descontrole… dai veio minha mãe com a cara  inchada de chorar me abraçar e meu pai do outro lado segurou minha mão e pôs a mão em volta do meu ombro… Não falamos nada! Na hora de dormir, o Felipe (irmão) entrou no quarto, deu a mão e quando eu ia apenas apertar, ele me puxou, deu um abraço e disse que ele sempre vai ser meu irmão. E chorei de novo… Pela primeira vez não dormi no inferno” (FONTE).

Nossa, para nós blogueiros gays foi um alívio agora toda a vez que começar uma novela com personagem gay não vamos precisar ficar perguntando “será que vai ter beijo gay bla bla bla”. Nossa, tirou um peso das costas. rs

Mas a luta ainda não acabou, minha gente: queremos agora um beijo gay numa novela BOA! rs #fikadika, João Emanuel Carneiro!

Sem traumas ou polêmicas, ‘Amor&Sexo’ mostra o primeiro beijo gay entre homens da Globo


beijo_plateia_1

“Foi só um selinho?” Foi só um selinho. Porém, enfim a Globo mostrou o primeiro beijo na boca entre um casal do mesmo sexo. O tema já muito debatido acabou tomando uma proporção muito maior do que deveria ter, afinal, em pleno 2013, uma bobagenzinha como um beijo entre homens ainda cause tanto burburinho é de dar dó.

Mesmo sem conseguir inserir nas novelas – apesar da ENORME expectativa -, o fatídico ato de afeto foi ar de forma simples e sem traumas. O esquema lúdico montado foi o de dividir a plateia em pessoas que procuravam parceiros héteros e homoafetivos. Daí possíveis casais de interesse reproduziam a cena clássica da Dama e do Vagabundo, aquela do macarrão, e se tudo desse certo, davam um beijo no final.

Vejam:

Beijo Gay em Amor&Sexo Globo

Clique para ir à página do programa. A cena acontece a partir do minuto 03:05.

OOOOOWWWWNNNNNN! ❤

A jornalista Glória Maria, que participava do programa, completou após a cena: “Fernanda é o primeiro beijo gay da TV”. Já não  era sem tempo que a maior emissora do país tornasse a discussão sobre a homossexualidade mais abrangente, né? Estaria a Globo ensaiando ampliar a abordagem e o tal beijo gay de novela ser apenas uma questão de tempo? Veremos…

Eu adoro o programa “Amor & Sexo”, primeiro porque tem a Fê Lima que é uma querida que consegue levar o programa de forma autêntica e espontânea, sem repetições ou formulas (fora aquele pão que é o marido dela, néam). Segundo que ele trata de temas que neste nosso país hipócrita são “proibidos” de ser publicizados. Brincando, brincando, a gente vai quebrando barreiras, provocando reflexão sobre mudanças de comportamento e questões sociais.

Será que a Rede Record vai dar basfond assim como deu quando o programa mostrou nudez frontal?

———————–

UPDATE: Bem fui lembrado que esse não é o primeiro beijo gay entre homens da Globo! Já teve um na minissérie Queridos Amigos entre Guilherme Weber e Pedro Novais. Podemos dizer que foi o primeiro beijo autêntico, o primeiro beijo documental. rs

Um beijo contra a ignorância


Do Extra:

O republicano Rick Santorum, que quer disputar as eleições para a Presidência dos EUA, discursava há cerca de 15 minutos para pouco mais de duas mil pessoas, na Christian Liberty Academy (Academia da Liberdade Cristã), em Arlington Heights, no estado de Illinois, quando gritos o interromperam, chamando também a atenção de todos. Eram Timothy Tross e Ben Cliffor, que logo em seguida trocaram um caloroso beijo na boca.

Os dois homens foram prontamente retirados do local pelos seguranças. Na plateia, cerca de 50 manifestantes ergueram cartazes com dizeres como “Católicos contra Santorum” e “Se eu for voluntário (de sua campanha), você me trataria como gente?”.

Quer ver a cena? Dá play e vá direto para 3:45:

Arrasaram, né?! Fica o exemplo, para NUNCA nos calarmos contra a intolerância – a não ser quando for caso de risco, por favor.

Por falar em manifestos, nós estamos conversando com algumas pessoas de movimentos sociais para fazermos uma ação contra os recentes casos de homofobia no ES. Fiquem ligados!

Obrigado pelo link, Paulo!

Capa corajosa da ‘TRIP’ com beijo entre homens


A revista Trip, destinada ao público jovem, ousou e surpreendeu (positivamente!). Veja que linda a capa da edição deste mês:


A revista, que costuma trazer fotos de mulheres nuas, tem como tema principal desta edição, como vocês podem ver, a diversidade sexual. A revista traz uma entrevista com Zé Celso, o criador do Teatro Oficina, falando tudo sobre sua liberdade artística e sexual e uma reportagem com surfistas gays. A publicação levanta os esteriótipos que o gay enfrenta no mundo gay e fala sobre o site de relacionamentos  gaysurfers.net, que reúne surfistas gays de 81 países.

Muito legal ver uma revista “hétero” fazendo algo que nem publicações gays no Brasil ousam muito: colocar um beijo bem quente entre dois homens na capa! E ainda tem aquela pegadinha magia ali na bundjeenha. Que delícia, gente!

Curtiram? Eu achei fabulosa, não só pelo conteúdo, mas pela estética.

A edição tem uma capa “alternativa” para os mais quadradões, que mostra uma “turma” que curte o amor livre (veja-a aqui)!