O Top Drag deveria ser assim + Bônus


Ontem fui à Chica, na festa “As Brasileiras”, e fiquei chocada com a genialidade do show!

Vocês sabem que eu sou uó pra gostar de show de drag, néam? Entretanto, As Brasileiras consistiu numa homenagem a algumas das principais divas da Música Popular Brasileira: Daniela Mercury, Cássia Eller, Elza Soares, Vanessa da Mata, Margareth Menezes, Ivetão e até Valesca Popozuda!

Nada ficou mais bárbaro que a abertura da apresentação:

Viados, eu amo tanto essa música que toda vez que começa a minissérie eu saio andando pela casa sensualizando em todas as cadeiras da cozinha e nos puffs da sala! Aposto que vocês também. hahaha

Enquanto eu pensava que aquilo seria o ponto alto da apresentação, me vem Fernanda Ferrari com um Mashup de Ivete e Valesca, com direito aos boys dando uma aula de Lambaeró(tica)bica em cima do palco. Quase dei um tiro no meu koo de tanta emoção:

Por um segundo me senti no Axé Moi, em Porto Seguro. ❤

Veja todos os shows clicando AQUI.

BÔNUS: Em falar em Chica, sexta-feira eu estava do lado de fora, ouvindo Sensível Demais com Anwar, e aconteceu uma situação estranha. Apareceu uma travesti (bonita e bastante parecida com o Humberto Martins) me pedindo isqueiro, dei, e ela começou a falar:

– Te conheço de algum lugar…

– Ah, não duvido, todo mundo me conhece, deve ser do meu blog.

– Blog? Não, nem mexo na internet, te conheço do Quiosque do Lui, você tinha 18 anos na época. Eu estava lá, você veio até mim, me elogiou e me perguntou se era muito caro ser travesti, porque você também queria ser.

Que garáleo é esse? Eu tenho que parar de falar pras pessoas sobre o que eu faria se tivesse um par de peitos… é… que quando uma situação me indigna eu logo começo a confabular que se peitos eu tivesse, uma frase de efeito escreveria neles, pra ficar sem camisa como forma de protesto.

Num rodeio mesmo, em Colatina, eu já pensei em escrever “Acém bovino: R$ 10,99” nos peitos, com tinta vermelha. Além de chegar em cima de uma caminhonete e jogar um balde de sangue de porco na plateia, tudo isso sem camisa, só pelo shock value.

Pra vocês terem noção, o telefone-sem-fio é tão sinistro em Vitória que mês passado fiquei doente e longe da internet por 5 dias, só por isso começaram a especular que eu tinha botado peito e estava no Apart Hospital curtindo o pós-operatório! Acreditam?!

Acho que já vi isso antes…


Só me colocam pra fazer pobre 😦

Aposto que eles se inspiraram nas gays cabixabas!

Não é a cara daquelas bee’s que comem arroz, feijão e ovo o mês inteiro só pra poder ir pra Move e esbanjar o salário mínimo que ganham trabalhando de 8 às 22 no shopping, naqueles quiosques de casquinha do Bob’s?

O pior, ser rica por uma noite em Vitorinha, só quero ver ONDE eles vão colocá-la pra gastar esse dinheiro todo. A única opção que eu conheço é a de alugar aquela Limousine branca (que toda sexta passa ali na Lama lotada de racha gritando), dar um voltchêenha pelas pracinhas de Jardim da Penha e passar a noite na área vip da São Firmino.

Vamos acompanhar...

Dica do Cleber, via Globo.com

As Baianas


Ai, gentchy, depois os evangélicos querem tentar nos convencer de que ser gay é algo ruim, que vamos pro inferno, que cometemos pecado abominável. Mas como não amar ser gay depois de poder fazer uma coisa linda dessas:

Acompanhe a série clicando AQUI

Ir pro inferno super vale a pena sabendo que temos a liberdade de passear pelos gêneros sexuais sem colocar à prova nossa masculinidade, quando presente.

Alô, curso de Comunicação Social da Ufes, vamos parar de fazer entrevista com as Paneleiras de Goiabeiras e as Desfiadeiras de Siri da Ilha das Caieiras e embarcar numas ideias geniais assim?

Aliás, tem uma senhora lá que já deu tanta entrevista pra estudante de Jornalismo, que se aparecer mais um grupo de 5 bichinhas de óculos wayfarer e câmera na mão, ela vai tacar a panela de barro quente na cara delãns, certeza.