Espetáculo gay no Carlos Gomes na próxima quarta


inabitáveis1

Amanhã, quarta-feira (05/02), além de ser meu aniversário (#fikadika), haverá um belíssimo espetáculo no Theatro Carlos Gomes, em Vitória, tratando sobre a questão do ser gay.

O encontro entre dois homens, o sexo casual e – por que não? – algo mais que a casualidade são o começo, o meio e o fim do espetáculo Inabitáveis, duo de dança da companhia In Pares, que faz única apresentação gratuita nesta quarta-feira (05), às 19 horas, dentro do Projeto Verão no Theatro que acontece até o dia 23 de fevereiro no Carlos Gomes.

O desejo de abordar a homossexualidade já era um desejo do coreógrafo do espetáculo, o renomado Gil Mendes. “Eu queria abordar um tema que falasse da relação homoerótica. Acho que é o momento de falar sobre isso na dança”, afirma Gil com a experiência de 30 anos de carreira e ter idealizado coreografias para vinte e cinco espetáculos, entre dança e teatro.inabitáveis2

Após ler um artigo que discutia a condição dos “inabitáveis” (pessoas que vão a locais específicos em busca de sexo casual) ele encontrou seu tema. “A gente quer falar das relações que acontecem fora do olhar da sociedade” explica. Durante o processo de criação a abordagem, que seria mais crua, ganhou novos contornos. “No fundo rolou uma questão da afetividade no trabalho, de uma maneira não planejada. Surgiu o conflito e a afetividade. O conflito é algo que permeia a homossexualidade”.

Tratar da questão da homossexualidade através da arte é a oportunidade de levantar o debate sobre um assunto que ainda hoje gera tanta polêmica. “O tema é instigante. A gente esta em um momento de mostrar a sexualidade” acredita Luciano Coelho, um bailarino que divide a cena com Mauro Marques. Para ele, a delicadeza é um dos destaques do espetáculo. “Mostrar o assunto de forma poética, com cuidado foi fundamental. Por mais que esteja explicito, tudo é apresentado com naturalidade”.

Com um novo trabalho em processo de criação (Banzô inspirado na obra de Guimarães Rosa e com curadoria artística da baiana Cristina Castro) com previsão de estreia para abril, Gil, em nome dos meninos do In Pares deixa o convite para a apresentação desta quarta: “Nós queremos que as pessoas estejam lá, porque é um trabalho feito com carinho, dedicação e suor. E estamos falando de um tema que a gente gostaria que fosse mais e mais debatido” (FONTE).

Assista ao teaser da peça:

Acho que não preciso falar que é uma programação imperdível para quem gosta de espetáculos cênicos, para aquelas bichas que são mais cults, mais ligadas as artes, porque nosso estado é bem pobre de fatos culturais relevantes, por isso quando tem, tem que aproveitar. As críticas a peça estão bastante positivas, além disso o tema é viadice, aliás é pegação gay apresentada de forma lúdica, mais motivos para assistir. Se a senhora não for pela arte, pode ir pelos boys pelados, pronto! rs

SERVIÇO:
Espetáculo “INABITÁVEIS”
Quando: 05/02 – Quarta-feira, às 19 horas.
Onde: Theatro Carlos Gomes (como chegar aqui).
Quanto: DE GRAÇA! (retirar os ingressos 1 horas antes do espetáculo).

Ainda falando em Bolsonaro, homofobia e produções artísticas…


Em junho, no Parou Tudo:

O homofóbico deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) está rendendo polêmicas também fora do país. O artista plástico de Taguatinga, radicado nos Estados Unidos, Fernando Carpaneda colocou o político fazendo sexo grupal com homens na escultura chamada “Bolsonaro’s Sex Party”.

Eu adoro formas de protesto que envolvem trabalhos criativos e com viés artístico, ainda mais quando é um deboche como a de Carpaneda, artista plástico que faz trabalhos com temática voltada pro universo gay undergound.

Ficou curiosa pra ver a arte, bee? Cata:

A peça fez parte da exposição “Fernando Carpaneda. Queer. Punk.” exposta em Nova York. Ainda sobre a polêmica obra trecho da d’A Capa:

Mais um ponto a favor da arte e contra a imbecilidade de certos políticos. A escultura “Bolsonaros Sex Party”, criada pelo artista plástico brasileiro Fernando Carpaneda, acaba de ser adquirida pela The Leslie Lohman Gay Art Foundation. A obra passa a integrar o acervo permanente da fundação. (…)
“Acho que, da mesma forma que o Jair Bolsonaro tem direito garantido e imunidade parlamentar para ir à televisão brasileira falar mal de gays e negros, eu, como brasileiro, também tenho o direito de me expressar em público sobre o Jair Bolsonaro”, disse Carpaneda recentemente.
“Quero que ele se sinta constrangido ao ser visto retratado praticando sexo oral e anal. Assim, sentirá na pele o que é ter sua intimidade transformada em alvo de piada”.

Eu adorei e vocês?

Mais fotos aqui.

O ótimo humor ácido de Dahmer


Eu simplesmente AMO os Malvados, quadrinhos inteligentes e sarcásticos de André Dahmer. Ele lançou recentemente uma série que fala sobre a contemporaneidade “Quadrinhos dos anos 10” que é simplesmente genial! A gente que está imerso neste mundinho nos reconhecemos bemnos discursos aparentemente bizarros presentes nestas curtas narrativas. Indispensável:

Encontrem-se. Fica a provocação.

Pintor australiano crucifica François Sagat


Calma, ainda não precisa começar a chorar, foi só na pintura:

O autor é Ross Watson que se inspirou na ‘Crucificação de São Pedro’ do pintor do século 17, Caravaggio.  A obra provocativa foi motivada pela forma preconceituosa como a Santa Sé enxerga a homossexualidade e pela condenação católica ao uso da camisinha. Pra quem não sabe (alguém?) Sagat é o sonho de consumo de 99% das passivas (o 1% é a senhora que ainda não o conhecia, palhafa!), é um dos atores pornôs gays mais famosos da atualidade (Tchynna até já falou dele). Vi no Mix Brasil. O que vocês acharam?

UP DATE: Quer conhecer melhor Sagat? Veja fotos “comportadas” dele aqui ó, e se for maior de 18 anos, veja esse vídeo educativo dele te incentivando a usar camisinha. #morri #ohláemcasa


Você pinta como eu pinto?


Estava zappeando (nossa, quem usa essa palavra hoje em dia?) pelos meios de comunicação e deparei com uma notícia interessante:

Artista plástico brasileiro representa América Latina em festival LGBT na Itália

Noffam! Choray, um brasileireenho (muito gats por sinal) representando a América Latina toda na Europam? E num evento de ARTE? Derramei uma lágrima de patriotismo agora.

Olhem as obras do bofe e vejam se ele não merece:

"The True"

"I am"

"I'm The One"

Essa última não parece aquela “Estátua da Suruba” que tem na Ufes?