Você assiste pornografia?


Natural como eu

O Dé, desde o começo do blog, é famoso por fazer análises semiuóticas de clipes musicais, cds, apresentações dos artistas, entre outros.

Mas por que não falar do que prende nossa atenção mais do que qualquer Lady Gaga com lagosta na cabeça: O pornô? Afinal, ele faz parte das madrugadas da maioria de nós homens (tá, boa, néam?) gays.

Eu, por exemplo, sou chatíssimo quando o assunto é escolher um vídeo que me agrade. Um dos principais pré-requisitos que procuro nos filmes é a naturalidade dos atores.

Tsá, eu imagino que seja dificílimo ser natural com dezenas de câmeras filmando seu corpo, algumas tão próximas que por pouco não fazem uma colonoscopia na passiva. Mas é melhor que os atores estejam calados por não sentirem nada, que um passeeva escandalosa que tá dando pra 5 pintos ao mesmo tempo e geme como se estivesse em lua-de-mel com o amor da vida delãm.

Outro fator é o físico, já ouvi muitas críticas por dizer isso, mas eu absolutamente NÃO SUPORTO ver filmes nos quais os dois atores são praticamente clones. Tipo, duas bee’s esqueléticas, com cara de passivas, quebrando louça, ou dois bombados que mal conseguem se encaixar.

Principalmente no primeiro caso, o que passa pela cabeça desses produtores? Que os ativos gostam de ver duas bills se comendo igual homem hétero gosta de ver duas mulheres? Não dou conta!

Mas suponhamos que todos os fatores tenham sido respeitados e o filme está perfeito… O ativo te agrada, o passivo não grita como uma ambulância e tudo corre muito bem para o sucesso da sua curirica. Só que aí, de repente, o ativo, que nas preliminares nem tocou na neca da passiva, no auge da sua masculinidade, vira o edy pra ela e fala: “Me come!”

Ahhhh, não aceito! Se boa parte do assistir pornô está em fantasiar a cena, eles deveriam ter o mínimo de consideração nesse quesito, porque os versáteis mesmo não tão nem aí pra quem come quem.

Nisso começa um festival de falsidade, com uma passiva que come um koo com cara de quem come jiló, e um ativo falando 50 palavrões a cada 10 segundos de filme, pra fingir que aquilo está maravilhoso.

Aí eu fico logo puta e vou pro RedTube HÉTERO, porque pelo menos lá eu não corro o risco de um dos homens virar a bunda pra mulher, isso se não tiver nenhuma cinta-caralha por perto, néam? Essa modernidade cu.

E as senhoras, fofinhas? Qual das categorias de pornô mais de agrada? (Dessa vez não vou liberar a múltipla escolha, pense bastante e escolha a que mais gosta, tsá?)

Não, não vou falar de vocês sapas, porque pornô de sapatão pra mim é The L Word.

Trio do bom


Adoro um trio!

Adoro um trio!

Ai que essa semana, eu tô super cinéfila! O mundo caindo e eu vendo os melhores filmes. Óbvio, que não estou me referindo às obras de Fellini, Allen, Salles, Gus, Godart e afins. Afinal, essa semana só escrevi sobre pornostar. Primeiro, a delícia do Sagat e depois, a surpresa do Bazuca! Fecho a semana com o meu vídeo preferido dos últimos meses. Vi no site babadeiro do Manlicious há meses e fiquei louca. O vídeo tinha sido apagado e mas, eles repostaram e eu assisti mais uma vez. Eles brincam com dois fetiches meus: amadorismo e cafuçu. É tudo armado e a gente finge que acredita. Dois carinhas não muito bonitos que estão transando com um diretor guiando e filmando tudo. Eu sei que no meio da foda, aparece um terceiro elemente que é um delícia, desses que a gente quer encontrar na cama!  “Já tô na cena. Tô doido pra dar e comer!”, diz ele enquanto mostra o pau durasso pulando da calça.  Bee, nunca consigo assistir tudo… hahaha Sempre tenho que parar, respirar e ver o resto. Ficaram curiosas? Cliquem AQUI e vejam!  Agora, me deem licença que vou atrás de mais vídeos com cafuçus!