Um tipo de campanha incoerente


Acabei de acordar e dei de cara com a seguinte notícia na minha timeline:

bla bla bla

O projeto fez o uso dos boys deliciosos acima para angariar fundos para uma empresa que luta contra a homofobia e o bullying na sociedade. Ótimo, uma gracinha, se você olhar por um lado.

Porém, eu fiquei pensando, como pode uma empresa que luta contra o bullying, sofrido muitas vezes por pessoas que não têm o corpo dos remadores, fazer uso da cultura hegemônica de beleza quando a intenção é ganhar dinheiro?

Sexo vende, nós já sabemos disso desde o primeiro episódio de Queer as Folk. Mas o que vale mais, uma ideologia ou algumas centenas de de dólares?

Isso pra mim soa como se as feministas, que lutam contra a objetificação do corpo da mulher, fizessem um calendário cheio de mulheres gostosas semi-nuas para juntar dinheiro para financiar uma campanha contra a violência contra a mulher.

Falta coerência no discurso.

tumblr_mun19t1zhi1rjxoico4_400

É uma coisa a se pensar, a intenção do projeto pode ter sido das melhores, mas não é um tiro no pé fazer o uso da imposição estética, responsável pela homofobia internalizada e pelo bullying contra os quais você luta, para bater uma meta monetária?

Tá que têm fotos ali que mostram um contato íntimo entre os homens (como um fazendo a barba do outro) que passa uma mensagem legal contra o machismo e a falta de contato físico masculina. Mas qual a lógica de fazer tudo isso com eles pelados no meio do mato com baldes pendurados na piroca? A mensagem por si só não seria passada se eles estivessem vestidos?

remadores-4

remadores-2

Se eles fossem gordos eu tenho certeza que arrumariam uma forma alternativa de passar as mensagens sem precisar explorar o corpo. Mas quando é sarado, parece que o jornalismo punheteiro toma conta da cabeça dos fotógrafos e eles se esquecem do discurso nocivo que pode surgir.

Por isso que eu digo que, mesmo com a melhor das intenções, eles não fugiram da fórmula mágica do homem sarado pelado que lotam nossas campanhas contra a homofobia e vendem um padrão de beleza ideal que tanto oprime quem não se enquadra.

Até que ponto a super-exposição de corpos de homens sarados em campanhas contra a homofobia ajudam ou prejudicam a própria luta contra essa homofobia, principalmente contra a homofobia internalizada?

PENSEM, BEESHAS, PENSEM!

celine

Participe da Campanha #JeanWyllysmerepresenta


Gente, tá rolando uma campanha super bacana numa página famosa do Facebook: Cartazes e Tirinhas LGBT (clique AQUI para entrar).

Eles estão juntando um montão de fotos com LGBT’s e simpatizantes segurando um cartaz com a hashtag #JeanWyllysmerepresenta, vão enviar para o próprio e mostrar que apesar dele estar desamparado no congresso, não está sozinho. ❤

Então vamos dar uma forcinha e participar? Sua foto será postada na página e quem sabe em meio aos mais de 50 mil seguidores você não encontra o seu amor?

Eu já fiz a minha, cata:

1383841_602295123127278_816503611_n

Clique para ampliar

Curtiu? Quer mandar também?

Então retoque o henê da raíz, passe uma maquiagem nessa cara e tire uma fotinha com a hashtag escrita à mão, igual eu fiz acima.

Envie para leonardalisboa@hotmail.com e arrase sendo política nas redes sociais!

tumblr_mdnatkYBGZ1rnwa8uo1_250

Guest Post – As encubadas merecem respeito!


link-building-guest-post1 (1)

BAFÃÃÃÃÃO!

tumblr_mu7e09eP601qiq7h6o1_500

Esse post precisa de trilha sonora:

[youtube https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=sd_tWRq5uOI]

Antes de postar o e-mail da beesha, eu quero dizer que existe um problema de interpretação que ocorre toda vez que eu falo sobre encubados aqui no blog. Não, eu não tenho nada contra encubado, eu tenho contra quem pode deixar de ser encubado, mas permanece no armário por conveniência.

Não respeito essas pessoas, e não adianta pagar de ativista pro meu lado. Você é um parasita na luta LGBT, e usufrui dos direitos adquiridos por nós assumidos. Calado você já tá errado, impondo respeito você é uma piada.

tumblr_muf226AjJK1r4ybbgo1_250

Você vai ser respeitado quando admitir que ser discreto não acrescenta em nada na causa gay e que a não-expressão da sua sexualidade produz genocídios diariamente contra gays que a expressam.

Afinal, ser discreto retroalimenta o desejo da sociedade de tamponar a homossexualidade (lembrando que “discreto” aqui se refere APENAS a esconder sua sexualidade, dar pinta não é a única forma de expressão da sexualidade. Você pode ser masculino como o He-Man e ainda assim se expressar).

Você vai ser respeitado quando se tocar que ser “discreto” é uma coisa, mas ter orgulho de esconder sua sexualidade e de passar incólume sob os olhos da homofobia é um desrespeito aos anos de luta dos LGBT.

tumblr_mu73j7Arjr1sbzhteo1_250

Incólume jamais!

Porém, o texto do nosso amigo é sobre encubados que são encubados por obrigação, seja família, emprego, religião ou violência do bairro onde mora, são pessoas que queriam muito poder se assumir, mas não podem.

Por VOCÊS eu tenho o prazer de lutar por uma sociedade que estar armário nem seja uma possibilidade. Tá? ❤

Segue o texto:

Eu não sou assumido e também não sou efeminado. Percebi durante muitas postagens e também nos comentários, uma certa raiva com quem está no armário.

É sobre isso que eu queria falar, ASSUMIDOS VS ENRUSTIDOS. Se não me engano acho que até teve algum post sobre preconceito de gays contra gays (devo ter lido há muito tempo, se não foi no blog, me desculpe), mas do ponto de vista do preconceito que os assumidos/efeminados sofrem dos enrustidos/discretos. Eu concordo que essa discriminação existe, e que parece haver um abismo entre os dois grupos, mas eu não acho que quem é assumido vê o lado de quem tá no armário.

tumblr_mtbiewdgc11qg3q94o1_250

Um dos motivos que grande parte dos enrustidos não suportam assumidos/afeminados é o amor que eles tem de chutar pra fora quem tá no armário. Cada um tem seu tempo e suas circunstâncias. Não dá pra impor uma decisão que foi boa ou funcionou pra você pra todo mundo.

Cansei de ver assumidos entregando enrustidos em festas, no trabalho, na faculdade, em mesa de bar. Um ex-namorado meu foi expulso de casa, porque um vizinho assumido contou pros pais dele que ele era gay.

Não entendo porque fazer isso, às vezes até parece que quem é assumido esqueceu que um dia também esteve no armário. Como querer reclamar de uma sociedade que não te entende, se você não tá se dando o trabalho de querer entender quem é igual a você? Ou nem ao menos se por no lugar?

Engula, beesha!

Engula, beesha!

Eu sei, dá pra querer dizer que o inverso também é válido. Porque o enrustido também não entende quem é efeminado? Aí já é diferente. O enrustido está em negação e na maioria das vezes ele não aceita a condição que tem, quanto mais aceitar a de outro.

Poxa, dá pra realmente querer condenar alguém que está tentando fugir da rejeição, do sofrimento e do preconceito? Ainda que se diga que não dá pra fugir pra sempre, mas como já disse, cada um tem seu tempo e suas circunstâncias.

Muitas vezes vejo pessoas que eu sei que são gays, sendo homofóbicos em adiantamento quando chega um efeminado, meio que como uma forma de defesa, ou pra tentar ao máximo disfarçar e o cara efeminado não sacar qual é a dele. Todo mundo sabe que é assim que funciona, aparece uma pintosa na beira dos enrustidos e eles todos ficam desestabilizados e em estado de choque.

Pode ter alguém que discorde, mas isso contribui muito para a homofobia (todo mundo sabe que a maior parte dos homofóbicos gosta da fruta). Eu acho que esse abismo entre assumidos e não assumidos é muito mais sério que o abismo entre a comunidade GLBT e a sociedade

Por que se os iguais não se põem uns nos lugares dos outros e se respeitam, como exigir que quem é diferente vá fazer?

É a mesma história de homofobia internalizada? É! Mas se vocês parassem com essa putaria eu não teria motivo pra falar, né?

tumblr_mm3llaRSMr1rw3rbdo1_250

O Gepss está de volta!


gepss

Com o início do semestre 2013/2 da Ufes, recomeçam as atividades do Grupo de Estudo e Pesquisa em Sexualidades!

Que tal mexer os pauzinhos nas suas matérias pra fazer parte da grupo esse semestre? Seguem as informações:

Local: Ufes – IC 4 – Sala 10

Data: 09 de outubro

Horário: 18:30

O texto que vamos discutir foi extraído do livro “Da diáspora: identidades e mediações culturais” De Stuart Hall. O texto usado será “A questão multicultural”, que vai da página (51 a 94), caso você tenha o livro em casa.

Mas se não tiver, clique AQUI para baixar.

Caso você não tenha tempo de ler o texto, compareça mesmo assim, nós sempre fazemos uma introdução e damos uma pincelada geral no tema antes de iniciar a discussão 🙂

É hora de estudar!

É hora de estudar!

Nova Coluna: Teorias Polêmicas sobre a Homossexualidade


Como prometido ontem, hoje eu vou começar uma coluna nova sobre Teorias Polêmicas sobre a Homossexualidade. Vou contar aqui pra vocês várias teorias no mínimo engraçadas sobre a homossexualidade.

Vão rolar teorias da Psicanálise, Behaviorismo, Espiritismo e até das religiões de matriz africana.

A primeira, pegando o gancho no post de ontem, é: Sob o ponto de vista da Psicanálise, por que os homens gays têm tanto pavor de vaginas?

Então senta pra gente estudar

tumblr_mrzv647Cs61ry6msio1_400

Nada desse texto é meu, tudo é basicamente uma compilação de uma série de artigos que li sobre pensadores que têm recalque com a Psicanálise.

Antes de começar vamos ler um texto de Lacan (discípulo de Freud) sobre o assunto:

Para os gays, a mãe mostra ter sido a lei para o pai num momento decisivo, no momento que a intervenção proibidora do pai deveria ter introduzido o sujeito na fase da dissolução de sua relação com o objeto do desejo da mãe, é cortado pela raiz qualquer possibilidade de ele se identificar com o falo (pênis), o sujeito encontra na estrutura da mãe, ao contrário, o suporte, o reforço…que faz com que essa crise não ocorra.

Ou seja, em vez de perder o desejo pela mãe (e passar aí a procurar outra mulher) ele se apega ainda mais a ela, como um exemplo de comportamento, num momento que deveria acontecer com o pai a identificação e a rejeição da figura masculina, por esta ter proibido o desejo dele pela sua mãe.

tumblr_ma1qegtacS1ruva68o1_250

Nossa, não entenderam nada, né?

Basicamente ele quis dizer que a figura do pai e da mãe (que não precisa ser do sexo masculino e feminino) tem papeis distintos no desenvolvimento da criança. O pai simboliza a figura da lei, das regras, e é o antagonista da relação do filho com quem faz o papel da mãe, a protetora, por quem o menino é apaixonado na infância.

Tá, tudo isso é contestável, porque se formos pensar numa relação feminista, mãe e pai não dividem esse papel da mesma maneira e, segundo essa teoria, todos filhos de feministas deveriam ser beeshas. Mas não são.

Aí vem a bomba, o motivo do medo da vagina:

Como o menino percebeu que a mãe ditou a lei ao pai, e ele sabe que também é homem e tem o falo, vê na vagina o medo de ter o seu falo engolido do mesmo modo que o falo do pai foi engolido pela mãe (tudo isso no universo simbólico)! BAFO!

E daí ele desenvolve não somente uma aversão, mas um PAVOR da vagina comer seu falo, seu pênis.

tumblr_msnpbgmSxe1qf5yxvo1_400

E tem mais! Ainda segundo essa teoria, o homem gay procura o pênis no parceiro porque vê nessa relação a possibilidade de fazer o papel feito pela mãe na relação dos pais: Comer o falo do parceiro assim como a mãe comeu o falo do pai.

E deveria ser o contrário, ele deveria procurar uma mulher para fazer o papel de lei que é feito normalmente pelo pai, mas no caso dos gays foi feito pela mãe.

Procurando o falo

Procurando o falo para comer

Lembram quando fiz aquele post sobre homens trans e quando eu disse que eles tinham vagina, vocês quase morreram? Pois é.

Claro que vamos encontrar inúmeras exceções à regra, mas é uma das explicações desse pavor que alguns gays tem da vagina, a ponto de tecerem comentários ofensivos sobre ela sem NUNCA ter nem tocado em uma perereca.

Mas e vocês, o que acharam dessa teoria? Polêmica, néam?

p.s.: Isso é UMA interpretação da teoria, gente! Vão existir outras várias, não venham me xingar caso você seja da Psicologia e não concorde, tá? Esse texto é um deboche não com a Psicanálise, mas com teóricos que levam os textos de Freud ao pé da letra.

DST’s e preconceito


Ahhhhhhhhhhh

Ahhhhhhhhhhh

Assunto pesadíssimo hoje. Logicamente ele foi resultado de mais uma discussão que tive no Gepss. Aliás, a maior parte dos posts aqui eu tô tirando das discussões que tenho lá, perceberam?

Muitas vezes, inclusive, eu “traduzo” artigos científicos para a linguagem popular e vocês nem se tocam que tão lendo teorias pedantíssimas da Sociologia Bicha. É bom ou não é?

O assunto é sobre DST’s e preconceito. Lá no Gepss várias foram as histórias contadas de conhecidos que não faziam exames com medo do resultado e morreram sem nem saber que tinham HIV, outros que sabiam do resultado, mas não iam no Hospital das Clínicas buscar os antirretrovirais com medo de ficarem faladas na cidade.

Nessa hora uma gay do grupo levantou e disse: “Mas gente, quem tem que buscar o antirretroviral só deve ir lá uma vez por mês, não é possível que alguém desconfiaria de alguma doença.”

Só fiz assim pra viado:

0ananana

imagesBasta você ENTRAR uma vez na vida nos hospitais que distribuem antirretrovirais que logo deduzem que você foi beijada. No começo do ano mesmo, uma prima minha passou mal, se internou lá e quando eu fui apenas visitá-la, duas gays já me mandaram mensagem no Facebook perguntando se eu tinha sido beijada.

Isso quando não falam que eu tô com a tia por ser magra. Não se pode nem ser magro nessa cidade maldita (acho que escrevi um post explicando isso… CLIQUE AQUI)!

Agora imagine quem vai lá todo mês? Tem uma coisa muito errada aí.

Sabem por que?

Nós sabemos como prevenir, nós sabemos que não existe problema nenhum em fazer sexo com camisinha com quem tem HIV e nós sabemos mais ainda que quando essas pessoas se tratam o vírus fica praticamente indetectável, e as chances de passar para outra pessoa são tão baixas que ficam próximas de quem não tem o vírus.

Entretanto, o preconceito permanece, o medo ter a fama de contaminada é tão absurdo que tem gays que nem andam com os soropositivos, pra não ficarem mal-faladas por consequência.

0lindo

Tipos-de-camisinhaMas e as doenças curáveis? Essas sim são terríveis quando o assunto é ser estigmatizado. Uma vez que a sociedade descobre que um dia você teve sífilis ou HPV, já era, todo mundo vai pensar duas vezes antes de ter uma relação sexual contigo.

Vamos pensar mais, galera! Ter HIV ou qualquer outra DST não é sinônimo de promiscuidade, de falta de caráter ou seja lá do que vocês chamam essas pessoas. O mundo está lotado de gente contaminada que não conta para seus parceiros que tem HIV, ou que nem sabem que tem HIV e contaminam outras pessoas.

Tudo por causa do preconceito.

Claro, a obrigação de cada um é usar camisinha, mas decerto todas aqui já passaram pelo desespero de ter feito sem camisinha sem querer. Seja pelo calor do momento, pelo nível alcoólico, pela confiança, não interessa, todos aqui já fizeram e ficaram com o koo na mão com medo de ter pegado…

…e SE TIVESSE PEGADO? Você gostaria de ter sua índole e seu caráter julgados por isso? Gostaria de ser estigmatizado por um deslize?

Pois é, então pense antes de julgar o coleguinha.

0bye

Audiência Pública: discutindo o nome social.


Nessa sexta-feira (30/08) acontece uma audiência pública para discutir o uso do nome social nas escolas do município de Vitória. Só pra lembrar, no dia 05/03, foi derrubado o veto a lei 120, de autoria do vereador Esmael Almeida, que proíbe o uso do nome social nas escolas municipais da cidade de Vitória.

O nome social é um recurso para que travestis e transexuais exerçam plenamente sua cidadania, as escolas da rede municipal de Vitória devem incluir o nome social de travestis e transexuais nos registros escolares – diários de classe, listas de divulgação pública no interior e na parte externa das escolas, crachás e outros registros similares – para garantir inclusão dessas (es) cidadãs (ãos) no processo de escolarização, de aprendizagem e de convivência no contexto escolar.

Então, sexta, antes do rock na Lama, a senhora dê uma passadinha na Câmara para apoiar-nos!