Tem que ter, tem que ter disposição…


As-cariocas

Tenho vários amigos hétero que já me perguntaram como satisfazer uma mulher, achando que existe algum truque ou macete pra esse tipo de coisa. O necessário para satisfazer, não só uma mulher, mas qualquer pessoa, chama-se: disposição. E toda vez que eu venho ao Rio, o que não me falta é disposição! Muito calor, algumas trovoadas, tempo livre e lá vou eu em mais uma das minhas aventuras…

Marquei um encontro via Facebook, afinal, conhecer pessoas nunca é demais. Como eu digo, network. Estava esperando um bolo, mas só ganhei um chá de cadeira. Tomei uma latinha pra dar aquela coragem e eis que ela aparece, toda falante e bem articulada, de início me intimidou. E o que podia fazer?? Precisava de território conhecido e nada como um barzinho pra meu me sentir em casa.

Estávamos sentados no barzinho e o dono do bar não tirava os olhos de mim, depois de duas ou três cervejas, ele se aproxima da mesa e solta: “você não tem 18 anos”. Oi? Como assim? Perguntei se ele queria provas e larguei minha identidade na mesa. Ele pega o documento, sai do bar, atravessa a rua e caminha até chegar num posto policial localizado na esquina. Nem me liguei e continuei entretida na conversa, quando de repente um PM aparece do meu lado! E eu achando que já tinha acontecido de tudo comigo, cinco anos se passaram desde a maioridade e a história sempre se repete.

Depois dessa cena, da vergonha do dono do bar e de algumas gargalhadas, minha disposição gritou novamente: “Será que já te embebedei o suficiente pra você ficar comigo?? E a resposta veio como tapa: “nem precisava disso”. Nessa noite, fiz um tour noturno pelas ruas de um bairro que ainda agora não sei o nome, entretanto isso pouco importa. A chuva veio, o alcool desinibiu e mais uma vez as cariocas botaram banca! Como nos versos cantados pelo Kid Abelha ♪ na rua, na chuva, na fazenda, ou numa casinha de sapê ♪

P.S: Eu não acredito em ativa/passiva, acredito em diversão!

11 comentários sobre “Tem que ter, tem que ter disposição…

  1. “Eu não acredito em ativa/passiva, acredito em diversão!”
    mas vc é ativa ou passiva? Aloka kkkkkkkkk;

    Eu queria ser dessas… mas sou folclórica kkkkkkk.

      • Coisa da Max e da Dé. É aquela passiva que quando o boy tentar pegar na neca dela, ela sai correndo, chorando, gritando, desesperada!

        • Mas menino,vc não sente nada no penis?Eu sou trans,tb não gosto que toquem lá no negocio,mas dependendo do parceiro,e se eu tiver muito excitada,eu não me importo que o cara toque não.Só não admito,que ele tente me chupar,ai o bicho pega.Eu finjo que é uma buceta,e vou aos céus.

          • Gata, na verdade eu nao me incomodo, pode pegar a vontade, eu falo dessa forma pra exagerar mesmo. Mas eu confesso que prefiro os caras que são aditivados e não querem nem saber de pau. Só de ku e de ser chupados… esses sim me realizam. Há muito tempo encontrei no chat uol um cara (mara) que disse pra mim: por mim tu pode ser brocha, eu só quero saber do teu koo. Fiquei loka. beijos.

          • E o policial que to saindo ultimamente nem rela em mim, só na hora de me puxar pelos cabelos e esfregar minha cara no saco dele…. adoro. hhahahah

  2. Que estranho, eu pensei que xs passivx encaravam numa boa, uma boa chupada, assim como eu (um God bottom). Nikki, a tempos que não viu um poste seu.

Comenta, beesha!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s