É só uma piada…


Depois as pessoas querem reclamar comigo, que eu sou fiscal de piada, que eu arrumo confusão com pouca coisa.

Mas alguém pode me dizer QUAL É A GRAÇA nessa merda de vídeo?

[youtube http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=4VMTTmt8fZk]
Hum... muito bonito.

Eu e Dé assistindo ao vídeo

so-as-melhores-piadasAí na descrição do vídeo ele diz que foi uma combinação com a mãe dele e que o vídeo foi uma brincadeira, porque ele gosta de humor barato… que é só uma piada…

(Tão barato quanto aqueles utensílios de 1,99 que a gente usa uma vez e quebra)

Vocês não sabem O ÓDIO que eu tenho dessa expressão idiota. Como se dizer que é humor desqualificasse todo o discurso da própria piada, que se baseia numa realidade para existir e, logo, representa sim parte da opinião do próprio criador sobre o tema.

Aí vai vir leitor aqui dizer que é old, que todo mundo já viu. Mas eu não estou postando o vídeo para mostrar pra quem não viu, estou mostrando o vídeo para discutir com vocês o poder que tem uma piada.

lixoEsse tipo de humor, e qualquer outro que envolva situações que se fossem reais não seriam tão engraçadas assim (como estupro ou violência física), é uma faca de dois gumes.

Por um lado ele pode servir para rir das mazelas da sociedade, de modo a fazer uma crítica social (o que logicamente não foi o caso do vídeo acima), ou ele serve para corroborar ou banalizar a violência da situação.

tumblr_mjmfbi4ofD1r83ei3o1_400Particularmente, eu não gosto desse tipo de humor, independente da intenção dele. Não porque eu acho que ele vá fazer as pessoas agredirem seus filhos caso eles sejam gays, mas porque não tem graça mesmo, é mal-feito, é vazio e a única mensagem que passa é: “É muito engraçada a violência doméstica que gays sofrem”.

Entretanto, isso não quer dizer que eu não goste de humor que envolva essas situações.

O que me incomoda é: por que sempre quem se ferra na piada é o grupo que já se ferra todo dia na sociedade? A graça de uma piada não está na “quebra” de uma situação cotidiana? É um homem que escorrega na casca de banana, alguém que leva um susto… todas são quebras da linearidade.

Esse tipo de piada não quebra linearidade nenhuma, ela apenas narra um acontecimento triste e corriqueiro, que por ser “teatral”, passa a ter graça.

Por quê? Duvido que alguém tenha caído na gargalhada na cena da Camila, de Laços de Família, raspando o cabelo por causa do tratamento de câncer.

Mas o princípio foi o mesmo, apenas dramatização (ela não tinha câncer, assim como ele não é gay),  nada de extraordinário.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=xbHI3QQARAo]

Sabe por que ninguém ri? Porque nos afeta! Porque o câncer é uma realidade que nos amedronta.

Repúdio

Repúdio

E é aí que mora o perigo de se achar graça em piadas com violência moral ou preconceitos. O fato das pessoas rirem delas significa que aquela triste cena NÃO afeta a sociedade, é banal.

Por esse motivo, nós não devemos achar graça de piadas dessa categoria, achar graça disso demonstra que a causa não nos incomoda, que não nos revolta, não nos entristece, como entristeceu a cena da Carolina Dieckmann raspando a cabeça.

Trate todas as piadas preconceituosas como tratamos as piadas do incêndio da Boate Kiss: com repúdio.

Isso demonstra que você se importa.

23 comentários sobre “É só uma piada…

  1. “O que me incomoda é: por que sempre quem se ferra na piada é o grupo que já se ferra todo dia na sociedade? A graça de uma piada não está na “quebra” de uma situação cotidiana?”

    SIMPLES: por que assim se satisfaz o público predominante da sociedade. Qualquer coisa que não envolva os preconceitos desse grupo, as chances de agradar diminuem enormemente, a popularidade da piada é mínima.

    Infelizmente não acho que a graça de uma piada esteja na “quebra” de uma situação cotidiana. Isso aí é uma piada inteligente. Pode ser “das melhores”, só que quantos conseguirão alcançar também?

    Piada de baixa qualidade é o que agrada mais. Quanto mais tribalismo, mais chances de dar certo… “Quando tem jogo do flamengo a criminalidade diminuiu”, “mulambada”, por aí vai…

    Enfim, piada genérica e facilmente vendida: associar alguma pessoa com algo considerado “podre” (considerado por um grupo ou alguém, claro, não que seja verdade) pra “geral” fica feliz rindo da desgraça alheia.

    • Desculpa, mas eu acho que está sim, a piada do homem caindo na casca de banana não é inteligente, mas é engraçada.

      Isso aí que você chama de piada de baixa qualidade eu chamo de violência mesmo hahahaha

      • É, Max, eu nunca achei graça de ver alguém caindo, nem na época de primeiro grau, meu impulso era ver se a pessoa não se machucou… but, reconheço que isso não é padrão.
        No fundo, é alguém passando de ridículo para agradar da mesma forma.

        • Exatamente! você SÓ RI porque ela não se machuca! Se a pessoa se machuca a graça acaba, mas no caso das piadas baratas, não é bem assim. É exatamente o que eu quero dizer com o texto! ❤

          • “Se a pessoa se machuca a graça acaba”. Exatamente a minha reação ao longo do vídeo.
            No início parecia que eu ia achar graça e que este post poderia ser um exagero seu, mas ao ver a mãe começar a espancar, passou um filme na minha cabeça. A MESMA coisa aconteceu comigo.
            Daí a graça acabou.

    • Desde quando piada satisfaz “o grupo predominante da sociedade”?! Aloka! Humor sempre foi instrumento contra o mainstream, e sempre será. Desde as sátiras da antiguidade, passando por Gogol até os stand-up comedians de hoje, humor é anti-mainstream. A novidade é que hoje a ideologia politicamente correta É O MAINSTREAM!!!! As minorias, que sempre foram pedra, agora começam a ser também vidraça. Irônico a gente começar agora a apontar o papel insidioso e destrutivo do humor. O melhor – na verdade, o único – antídoto contra o humor é mais humor! Se o humor é preconceituoso, vamos fazer a metalinguagem do humor, a paródia do preconceito. Os gays sempre foram mestres nisso. Não vamos perdem o humor, gente!

  2. Eu assisti esse vídeo e nao pude evitar me reportar para o momento que minha mãe descobriu sobre mim. Realmente nao tem graça… pelo contrário, me deixou muito triste porque me fez lembrar de um dos momentos mais tristes, mais angustiantes no meu relacionamento com minha mãe. Hoje isso ja foi superado, minha mãe ja aceita quase todas as minhas opiniões sobre sexualidade, mas ainda é muito triste lembrar da própria mãe chorando triste e desconsolada por algo que ela ainda desconhecia, por algo que afetava tão intimamente o próprio filho.

  3. É como quase todas as novelas, sempre tem que ter um personagem gay afeminado, para generalizarmos que todos os gays que existem na sociedade são assim, mas continua sendo engraçado para eles, o que importa é a diversão, talvez seja por isso a causa de tantos atos homofóbicos.

  4. Concordo em número, gênero e grau com cada palavra que você disse. Aliás uma coisa a acrescentar.. Quando vi o vídeo na página inicial do YouTube antes de clicar pensei que a barra de gostei/não gostei do vídeo deveria estar metade gostei metade não gostei. Mas não estava. Achei estranho. Depois fui na entrevista de Feliciano no Agora é tarde e tbm tinham muitos gosteis. Essa situação com Feliciano tá FAZENDO a cabeça da maioria “cristã” da população a achar q homossexualidade é comportamento!!! ELE TÁ CONSEGUINDO!! Antes disso tudo o Brasil era mais a favor do casamento gay! Aqui em casa é um exemplo. Todos são evangélicos e todos diziam q não achavam errado o casamento. Mas dpois da entrevista do Malafaia cairam na lábia dele e eles agora são contra!!! E é isso que tá acontecendo! Antes me sentia bem menos pressão para esconder a minha sexualidade. Agora tem beeeeeeemmmm mais. TÁ TENSO!!

  5. O problema é que o menino do video me parece ser gay ( apenas minha opnião) outro grave problema – Ele não sabe o que diz ! não sabe brincar, essa é a expressão do Brasil que vivemos, nós os jovens ( gays ou não ) não nos interessamos mais em pensar, apenas em fazer, ora quando apenas fazemos e possuimos um minimo de informação e coerência, estudo ( álias cadê? concerteza esse boy do video nem imagina em que continente fica a turquia, ou se a turquia fica em 2 continentes ao mesmo tempo. ) vale sair por ai fazendo piada, fazendo Humor sem pensar – Expressão livre, mas temos que observar onde isso nos leva, é o que estamos fazendo aqui, esse video serve pra mostrar o que acontece dentro de uma família brasileira quando o filho diz que é gay – Viva o Brasil que aceita o Feliciano e o apoia . – Eles são a maioria – nossa luta é muito grande por dignidade . Quem puder que trabalhe no Bob’s e junte grana, ou encontre uma alguém afim de te traficar pra europa – porque mesmo sendo explorado ( vc pode gostar até hehe ) vc vai viver uma experiência com outra sociedade organizada muito mais Humana ! será ?

  6. No meu modo de ver a quebra da linearidade (é assim mesmo a palavra produção?) está em um homem apanhar da mãe e chorar como criança (situação atípica). O motivo poderia ser qualquer outro desde que levasse a esse ”fim”. Como no caso o ”meio” foi a notificação da homossexualidade houve um desconforto dos gays. Eu mesmo não acho graça nem em assumir ser gay e muito menos apanhar por isso.

    • Não fez sentido pra mim.
      Não acho mesmo que a intenção do autor do vídeo foi fazer humor baseado no fato de um homem chorar feito menino. Primeiro que o vídeo é feito por um menino (talvez não menino, mas homem também não). Depois que a escolha da revelação como homossexual não tem um caráter tão aleatório assim pra servir como meio de atingir o humor através do choro do “homem”. Por fim, o menino nem chora no vídeo.

  7. Não curto esse humor força barra que está tomando conta da rede social e se virilizando. É o caso até de profissionais fazendo humor pobre e vazio como é o caso de “Portas do fundo” tem um que o cara fala para a menina, “Quer chupar rola ?” e alguém acha que é engraçado a situação “inusitada”. O humor não deve ter fronteiras senão fica uma coisa chata e o politicamente correto está acabando com o humor. O lance do humor tem a ver com a sensibilidade de quem escuta a piada, o momento e estado de espírito. Uma velhinha sai na rua toda maquiada de maneira esdrúxula, vc rí dela, mas se vc sentir pena ou se colocar no lugar da velhinha o sentimento vira compaixão e não existe mais a graça no foco. Nesse vídeo em questão alguém pode ter achado engraçado, como acham engraçado quando uma criança se ferra nos vídeos-cacetadas, ou alguém se arrebenta todo, ou até mesmo um quadro patético do Pânico em que um tal de Bolinha sempre coloca alguém para se machucar. Esse humor não chega ser humor vazio, debochado, non-sense ou escrachado, é uma tentativa fracassada ou desesperada de se fazer algo para a massa ignora rir .No caso do Pânico é uma tentativa fracassada de se fazer algo como o Jackass, tão inútil e bem pior que o original. Quanto a cena citada da novela a mim não toca, porque não consigo entrar na trama de uma novela e sentir as emoções de quem assiste e segue uma novela, que é sempre as mesmas tramas, os mesmos enredos e não me cabe em minha parca percepção, alguém assistir novela tendo TV a cabo, internet ou livros.

Comenta, beesha!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s