Amor?


Desde que entrei no blog tenho um sonho: Fazer um texto sobre o amor.

No começo eu ficava super inseguro, achava que não seria bem aceito e que vocês me jogariam tomates caso ousasse falar de um assunto pesado desses. Mas agora que já caí nas graças do povo cabixaba e um leitor do blog tocou no assunto nos comentários, acho que posso me aventurar. Além disso, domingo tá aí, é o dia da depressão, que vocês morrem de ressaca, colocam um filme da Julia Roberts no Telecine Touch e se perguntam o porquê daquela ridícula com boca feita de maquiagem ter uma vida amorosa melhor que a sua.

Tenho sérios problemas com a conjugação do verbo amar. Vê-se a torto e a direito a conjugação deste verbo no passado, mas como se deixa de amar alguém? De que maneira isso ocorre?!

Posso afirmar que nunca amei, apaixonar-me sim, por raras pessoas e coisas, mas amar transpassa um conceito tão inexplicável que não me vejo capaz de me desprender. As pessoas, com poucos meses, e até dias, de relacionamento, seja ele fraternal ou amoroso, afirmam amar o outro, porém basta uma série de problemas de convivência, a incompatibilidade de personalidade e a distância física ou psicológica que esse sentimento desaparece, e aí dizem: “Eu amei fulano, mas as circunstâncias não permitiram que permanecêssemos juntos”. Como assim, Beeal? Estar junto agora é requisito para continuar amando?!

Uso como exemplo o sentimento que a maioria de nós temos pelos pais, é imutável, que por mais que haja desavenças, disparidades de opinião ou desapontamentos, o sentimento continua ali, firme. E eu não estou falando de problemas banais, estou falando de pais ou filhos que realmente causam sérios transtornos: é um pai que expulsa o filho de casa por algum motivo, um filho que se envolve com a criminalidade e acaba por envolver os pais, entre outros. Entretanto, mesmo assim, o sentimento de condescendência desemboca no perdão mútuo e na busca pela superação do problema PELO BEM DA RELAÇÃO, tudo isso por causa da imensidão do que se sente pelo outro. Com raras exceções, néam? Vide Suzane von Richthofen.

Fraternal, mas nunca deixou de ser amor.

Então não venha me dizer que já amou tantas pessoas na sua vida somente porque sentiu um sentimento muito forte por elas, ou porque por algum momento se viu disposto a dar sua vida pelo outro, aliás, estar inebriado pela paixão e pela afeição nos momentos de felicidade sem que tenha sido necessário doar algo seu, não-material, de muito valor, e dizer que DARIA caso fosse preciso, é muito fácil.

Portanto, não julguem amar pelo que sentem, mas por quanto tempo percebem que sentirão, você percebe isso com os primeiros desentendimentos, seja racional nesses momentos e pondere os acontecimentos, as interpretações e a influência deles, pois há uma característica cabal na duração desse sentimento, que quando eterno, considera-se amor.

Só a Max me entende =*

58 comentários sobre “Amor?

  1. Muita coragem mesmo de sua parte falar,seriamente,desse assunto por aqui.Parabens,seu texto esta muito bom.Prevejo,como vc ja intuiu,pedradas,algumas colocaçoes serao,infelizmente,extremamente mal entendidas…Basta falar a palavra amor e as criaturas ja vem te chamando de iludido.O dia que realmente sentirem,entenderao – talvez.

    • Analista, admito que odiava você quando entrei no blog, sempre crítica e amarga, mas tô começaaaando a curtir o que você escreve. hahaha

      Obrigado pelos elogios, muah =*

  2. Ei Max,

    adorei o seu texto. Super coerente com as poucas coisas que os pensadores concordam sobre o que é o amor. Adoro seu jeito de escrever. Linda! Arrasando sempre…KKKKK

    Há muitas divergências entre os grandes pensadores, o que é e o que não é amor, mas em uma coisa todos eles possuem em comum, é ‘acreditar’ que o amor é algo eterno, e não aquele ‘eterno enquanto dure’.

    Não gosto muito de comparar o amor fraternal/maternal com o amor conjugal (carnal, seja lá como quiserem chamar). Até porque, existem inúmeras influências da cultura sobre este tipo de relacionamento (pai/filho, mãe/filho, irmãos).

    Peguemos isoladamente o segundo tipo de amor; É possível sim, um homem ou uma mulher terminar um relacionamento com seu/sua parceiro(a) e ainda amá-lo. EU acredito que os dois não estejam juntos pelas circunstâncias, e não porque deixaram de se amar. Até porque, existem diversos fatores para o não relacionamento de dois indivíduos.

    Não me lembro ao certo em qual livro eu li, se não me engano em algum livro do Ghiraldelli, conclui que o amor é a junção de companheirismo e amizade. Tem quem discorde claro, mas é a partir desta discordância que podemos talvez dizer com uma ‘certeza duvidável’ que o amor foi extinto, ou simplesmente nunca existiu. Será? Não sei!

    Enfim, para mim ainda não encontramos o verdadeiro conceito da palavra. E talvez nunca encontraremos. De qualquer forma, fico com uma frase de Nietzsche: “O amor é o estado no qual os homens têm mais probabilidades de ver as coisas tal como elas não são.”

  3. Só para falar que eu amo… a Raven! Incondicionalmente!

    Sobre o assunto, todo mundo fala “eu te amo” como se falasse bom dia.

    Se eu falar que te amo, é porque eu amo mesmo que eu não esteja te comendo.

  4. meu ultimo namorado dizia q me amava todas as hras do dia… se tornava ate chato sabe… o problema é q criatura falava mas nao demonstrava com atos.. ao contrario… cagava fora do penico e depois vinha pedir perdao e q errou e q me amava e nao queria me perder… e eu burro perdoei mais de 1 vz… mais d 2 vzs…
    falar eh facil, dificil eh demonstrar e o q ele me demostrava era q nao me amava.
    muah…. amo teus post max!

  5. Toda vez que vejo ou leio algo sobre esse tema, recordo-me de duas unicas pessoas, uma é a minha mãe e outra não vem ao caso, mas posso afirmar com todas as letras EU AMEI UM DIA, e não sei se isso é bom ou ruim, pois levo marcas disso até hoje…

  6. Eu acho o seguinte… qualquer forma de amor é válido desde que a pessoa não se transforme em mulher de malandro.

    sem mais.

      • Por exemplo:

        Conheci um cara que tinha um ex e tal…. ele é TOTALMENTE subjulgado e subordinado ao ex…

        a ponto de se negar totalmente,de não fazer NADA…..levava chifre direto e não fazia nada…..não queria saber dos caras com os quais o namorado transava ( e ele sabia que era corno) ,,,,bicho……

        aí eu falo: como essa porra pode ser amor? pra mim isso é doença…. das brabas…

          • Não acredito nisso…

            isso é paixão….paixão não precisa ter respeito..

            amor sem respeito não existe.

          • Acho que a paixão tende a acabar com mais facilidade, Out, esse motivo seria muito tenso pra manter uma paixão.

          • Max, as vezes é conveniência tb…

            vou ter alguém, acabo usando essa pessoa quando me convém (mostrar, usar em momentos de solidão, impulsos sexuais enfim….)

            algo até meio egoísta saca???

        • E tipo….aquele amor…amor romântico tão impregnado na mentalidade das pessoas ocidentais de nosso século….

          amor de novela… auhauhauha

          cara, é ilusão vc acha que vai acontecer…

          primeiro que foi uma construção a longo prazo…e foi consolidada no século XIX.

          segundo, o nosso contexto histórico, os meios de comunicação, a nossa forma de lidar com o sexo hoje e tal….tudo isso gera uma série de mecanismos para que o amor romântico não ocorra…

          Mas enfim…é o que tem pra hoje ( adoro essa frase). auhauha

          • Max, oí a historinha:

            Out (vulgo eu) no contexto da pós graduação…..e de manhã, nos arredores de Vitória….

            aí na minha pós graduação,a pedagoga lá de 60 e poucos anos me vira e diz: Olha, eu já tive 4 casamentos….

            aí eu falo: Porra, tá querendo tombar a Gretchen?

            ela ri e fala: Ahhhh, mas meu tchutchuco (noivo atual dela) tá tão doente hoje,vou visitá-lo,dá comidinha na boca dele…

            eu (curioso): O que fez vc terminar com esses caras?

            ela: Homem né…vc sabe….homem…

            eu: é….homem… ^^’

            foi legal essa conversa…nunca mais vi essa mulher,mas foi o melhor aprendizado de toda a minha especialização.

  7. Essa historia de amor vai mt mais além do que possamos imaginar… E posso afirmar com todas as letras amei muito uma pessoa,não sei o q sinto hj em dia,mas sofri e ainda sofro mt ao lembrar do nosso término. Até pq como dizem: a gente só ama de verdade 1 única vez na vida,ainda sinto algo mt forte por ela,mas por motivos maiores não estamos juntas,são coisas da vida! Parabéns pelo seu post,ficou ótimo! Abçs

    • Eu já senti algo que eu não soube o que era ( e fiquei com muito medo com isso, pq sou muito metódico)…aí resolvi pôr o que eu sentia em modelos pré-estabelecidos de sentimentos ( viadagem)….

      fiquei mais perdido que bee em boate hétero…

      mas depois de um tempo sem ver a pessoa esse sentimento foi enfraquecendo….agora tá um sentimento bem fraternal…

      ^^

      então essa sua frase não cola comigo. Provavelmente era um sentimento de querer bem,mas isso eu tenho com muitas pessoas.

      • Bem,talvez um dia vc venha a sentir esse sentimento verdadeiramente;aliás,vc e muita gente.Eu também concordo contigo de que existem relações doentias e isso,óbvio,não é bom para o indivíduo.Mas daí negar-se a aceitar o sentimento como algo bom e verdadeiro por causa das exceções é menosprezar as possibilidades da vida.Gente,vamos parar com esse chavão de que “Viu como a bicha estava iludida?Só durou 3 anos,só durou 5 anos,etc,o casamento dela!” Como se anos fossem dias…Se a pessoa amou,se valeu à pena,isso não devia bastar para os demais?Sim,para os demais,por que as pessoas envolvidas naquela relação já sabem disso.Mas,como sempre digo,todos tem direito a sentir,ou não,o que quiserem,lógico.

      • Amigo, estou dizendo relacionado ao assunto. Digo, quando você sempre ver uma pessoa que você ‘amou’, mesmo após terminar, seu coraçãozinho ficará mais acelerado só em vê-la. Não precisa ter atração sexual para isso. =P
        Aiii, é muito complicado. Que tal fazermos uma mesa redonda para discutirmos o assunto? KKKKK

  8. O que eu acho muy cafõnam são aquelas beezinhas que nem podem entrar nas buatchy ainda e dizem que AAAAAAAAAAMAM um boy, cortaria os pulsos por ele, se jogaria da terceira ponte por ele, choooora… E do nada puf! Durou dois dias.

  9. É por isso que eu fico puto quando falo que nunca amei e as gay me olham como se eu fosse um monstro.
    Falar é fácil, é bonitinho mas são só palavras…

  10. Gente, a carência amorosa ta se alastrando como um virús mortal (tipo, walking dead). Até a Max foi contaminada com esse vírus letal, coisa que eu nunca ia imaginar. Galera, relaxa que o verão e o carnaval já estão chegando! Mu-ah :*

  11. Gostaria de sugerir a Max pra criar uma seção no blog tipo “consultorio sentimental da max”. Preciso muito dos conselhos maxivanillianos para minha vida de bilu perdida e mau-amada/mau-comida. Espero resposta. desde já, grata.

  12. Muito bem escrito o texto, Max. E é isso mesmo, o amor só é amor, quando é eterno. Temos tantas formas de amar uma pessoa (como bem citou o amor que temos incondicional pelos pais) que se o amor realmente existi(u), ele saberá, dentro de uma “metamorfose”, continuar mesmo quando um relacionamento (namoro, casamento…) chega ao fim.

    Falo isso de causa própria, fiquei por mais de dois anos com uma pessoa que, mesmo chegando ao fim o namoro (e casamento), o sentimento permaneceu. No dia 11 de Outubro desse ano, completamos 3 anos que nos conhecemos. Essa data jamais deixará de ser comemorada. Ele foi e pra sempre será um grande amor na minha vida. Hoje, mesmo quase 1 ano após o término do namoro, é um amigo que tenho grandes histórias pra contar e jamais deixarei de tê-las.

    Nos falamos sempre sobre tudo, saímos juntos e sentimos saudades um do outro. Permanece o sentimento que um dia nos uniu como namorados e hoje nos uni como grandes amigos, o AMOR. ♥

  13. Bem raso o texto, mas bem escrito.
    Como sempre você se apropria da verdade e traz a sua condição como se fosse absoluta. Não sei se é um auto defesa da sua parte, essa sua verborragia contundente me soa deselegante. Escritos indutivos são mais interessantes. #ficadica
    Ainda assim parabéns pela coragem.

    • Quando contradição nesse comentário. Muito prolixo, falou, falou e não disse nada. De quem é esse comentário? Nunca vi tanta contradição desde Fiuk.

      “Fiz uma. Eu, dois amigos e sete mulheres. Foi um barato, mas para fazer uma vez ou outra. É legal para curtir, contar para os amigos, desde que seja uma brincadeira. Eu sou a favor de a população botar a cabeça no lugar, de as mulheres abaixarem um pouco a minissaia, segurarem um pouquinho a periquita, porque o bicho está pegando”, disse.

    • Acorda, garota, são textos para estimular discussão, não para determinar conceitos. Ser incisivo faz parte dessa intenção

Comenta, beesha!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s