Ser ou não ser pintosa?


Todo mundo aqui sabe que, se uma pinta eu fosse, poderia ser considerado um Vitiligo às avessas. Pra falar a verdade, tanto eu, quanto o Dé e a Izaaa temos apoiado na cabeça um outdoor escrito “GAY” em neon bordô.

São vários os níveis de pinta, que vão desde a bee levemente efeminada (uma mãozinha mole, uma vozinha anasalada) até aquela louca fashionista que usa roupas mega coloridas e grita “viaaaaaaaaaado” quando te vê passando no Triângulo com seus pais.

Quem é homossexual, por definição, se atrai pelo mesmo sexo, e isso deveria incluir aparência, comportamento e guarda-roupas do que é “tipicamente” masculino num mundo heteronormativo, no qual é clara essa divisão “for men e for women“. E sendo gays, alguns acabam por se identificar com o universo do sexo oposto, nada mais natural, nós vivemos de exemplos. Mas, percebo que essas bee’s pintosas estão sempre aquendando bofes… estariam elas fadadas aos bissexuais ou rola uma certa hipocrisia no mundo gay?

Sim, digo hipocrisia porque o que eu mais vejo são gays se ofendendo com palavras como  “passiva”, “pintosa”, “trava”, entre outras. Isso me faz chegar a conclusão de que pelo fato da pinta não ser benquista pela “etiqueta gay” nós tendemos a maquiar a nossa e damos ênfase a pinta alheia, como se pensássemos que a pintosa é sempre a outra.

E isso acaba por formar indivíduos com comportamentos falsos, beirando o robótico, a fim de se incluir, rapazes que se movimentam como um Playmobil ou, quando chamativas, super escandalosas que mais parecem um personagem gay do Zorra Total. Num tipo de “boatômetro”, ela vai do travesti ao capiau numa noite na boate, o nível de pinta que a fizer agarrar mais homens determina seu comportamento. Ou seja, besta são os héteros que acham que “quem vai pra boate pra dançar é viado”.

Ah, mas o que a Max quer com tudo isso? É um movimento pró-pinta neste keréliom? NÃO, é um movimento PRÓ-AUTENTICIDADE! Seja você mesmo, mesmo que escroto, esse é VOCÊ, que é diferente de todo mundo, pintosa ou não, coçando o saco ou dando truque na neca, ou nenhum desses. Afinal, o padrão é previsível e tenha certeza, não há nada mais interessante e atraente que uma pessoa segura de si.

PINTOSA E FELIZ!

25 comentários sobre “Ser ou não ser pintosa?

  1. Adorei o post Max…

    A questão realmente não é a de ser pintosa ou não, as bees estão copiando vários esteriótipos para se sentirem aceitos no meio em que convivem…como no caso do post sobre as Barbies.

    Eu me mantenho da mesma forma não importa o lugar…ñ sou do tipo fashionista, me visto “normal”, falo normal…mas num é por isso q qdo passa Lady Gaga aqui no rádio do escritório eu num vou cantar néam?

    Bjunda :*

  2. Existem niveis e niveis, existe preconceito dentro do meio gay com propios gays sim, para mim existe uma tolerância em certos tipos de lugares, ainda vivemos em uma sociedade totalmente discriminatória e estigmatizada (http://bit.ly/9dKHq3) onde o taxativo e um aperitivo maior para a critica, como falei deve haver bom senso de comportamento, ser afeminando ao extremo para mim não é uma opção e sim algo que voce propio vai desenvolvendo dependendo do grau de liberdade que voce adquire, o fato de uma pessoa ser “pintosa ao extremo ” ao chegar ao exagero causa um repudio da sociedade, e todos os gays ate os não pintosos são tachado por um comportamento que algumas vezes chega a ser abusivo “para o modelo de sociedade” e isso acaba prejudicando, a aceitação de tal, devemos ter bom senso e isso eu acho que não é preconceito.

    • Tenho que discordar. Acho que esse controle excessivo da sociedade é que tem que ser mais elástico. Quando estava na Parada Gay, um amigo me disse: “ai, essas bichas pintosas não me representam, queria mostrar que há outros tipos de gays, a sociedade aceitaria mais facilmente”. A questão é: não há meia liberdade. Eu passo facilmente por heterossexual. Mas me sentiria um fracassado na luta pelos direitos dos homossexuais se eu pudesse casar-me e ter filhos e meus amigos pintosos continuassem a ser hostilizados no meio da rua.

      A sociedade quer a normatização, eu quero a liberdade, a diferença. Bom senso tem cheiro de hipocrisia. Andar de mãos dadas é um simples direito, mas os olhares de canto de olho e alguns comentários são inevitáveis. Mas eis nossa luta constante pela participação igualitária na sociedade. Nessa ótica, ou o Max começa a ir na academia 3 vezes por dia, troca todo seu guarda-roupa, joga fora a maquiagem e apaga aquelas fotos de quando ousou vestir-se como o sexo oposto ou ele tem que ser preso porque não se enquadra aos padrões que esperamos. E aí, que fazer com o Max?

      • so estou questionando que tudo tem limite não precisa chegar ao extremo, acho que pode ser pintosa simm mais tem certos lugares que pedem um maior grau de comportamento, vamos supor que eu seja hetero nimguem gostaria que eu começa-se a coçar o saco e falar de futebol em um jantar mais social, assim como os gays voce não pode também dar aloka em lugares que não tem “necessidade” se voce acha que pode fazer tudo em qualquer lugar ai voce esta em um pensamento punitivo da sociedade tipo eles não me aceitam e eu n estou nem ai para regras e não é bem assim

  3. Á tempos sei dess preconceito de esteriotipos acho que faz mal, as gays deveriam se unir mais ao contrario se degradam cada dia mais

  4. Posts como este me faz lembrar de algo que percebo muito no ‘universo’ gay: o preconceito DENTRO do próprio meio.

    Fala-se muito que somos vítimas da sociedade. Que nossa família, nossos amigos héteros (com exceção dos ‘Ursinho Gente Fina’ como o amigo do Dé), o mercado de trabalho, todos nos olham meio de lado. Mas (desculpa se eu estiver exagerando, mas é a minha percepção das coisas) não há ser mais preconceituoso que o próprio gay.

    Quando do primeiro concurso do BBC para autor do blog, eu cheguei a escrever um texto para o tema “O que é ser gay no ES?”, mas nem enviei. Porque era uma visão meio triste do assunto (nada a ver com a vibe do blog). Porque, mesmo não frequentando os points ou os eventos GLS nem tendo muito convívio com gays cotidianamente, eu percebo que há uma eterna rixa entre nós. É sempre uma disputa pra ver quem é a mais bonita, a mais máscula, a mais inteligente, a mais (ou menos) pintosa, a mais loka etecétera etecétera blá, blá, blá.

    Concordo, corroboro, endoço e assino embaixo o movimento “Pró-Autenticidade” afinal (8)“o importante é ser você mesmo que seja estranho. Seja você mesmo que seja bizarro” (8). E “o padrão é previsível e tenha certeza, não há nada mais interessante e atraente que uma pessoa segura de si.” é a tendência da estação.

      • faltou um pedaco do meu texto no qual a pessoa me pediiu para entrar em contato com ela somente se eu nao fosse gordo, afeminado, morasse em Vix, nao fosse peludo e nem muito passivo…. mas como assim voce vem pro meu universo e me incomoda com estas besteiras? risos… ate que fisica// ele era interessante, mas nao pude fazer isso comigo… como eu iria me apresentar a ele? risos! e mole?

        • Manda a resposta para ele dizendo para entrar em contato somente se ele conseguir desenvolver um cérebro.

          Pode demorar um pouco, mas se acontecer, valerá a pena…rs

  5. Bom de tudo isso o mais legal e vc ser gongado por um certo grupo de pessoas que tem como lazer sauna gay, feiras livres e etc… tenho muito jeito de passiva mas baixar o nivel a tal forma não.
    e o outro detalhe e que conheço um menino que simplismente perdeu o cara por conta da passividade dele, hoje o menino esta lindo e namora outra passiva, que tudo!!!!
    Então é isso..
    beijos pra quem joga glitter no cu….

  6. AI MAX ADOREI SEU POST.

    ORGULHO DE SER ESCROTO!

    SOU DIVA,SOU FEMININA E MAMÃE QUE PAGA MINHAS CONTAS (OU PARTE DELAS) SABE E ME APOIA TOTALMENTE!!!

    BJO PRA MÃES QUE TEM O FILHO QUE NASCEU ANTONIO,MAS HOJE É VANESSA,E AINDA BATE NO PEITO E GRITA: FILHINHO É GAY SIM,E DAÍ!!!

  7. Eu não tenho problema nenhum com pintosas, tanto que foi numa reunião de pintosas ao extremo que me tiraram do armário aqui em casa… as beeshas só precisavam respirar pra serem femininas, não deu outra uhauhahuahua!

    Mãs, eu ODEIO beesha pintosa sem noção e sem educação, sabe aquela que já chega no ambiente e quer ser notada? “Olha pra meem gente, fiz escova e comprei uma bolsa nova!” Aquela que fica falando palavrão pra todo mundo ouvir, aquela que acha de ser blasé é o máximo… isso tudo eu digo num ambiente cotidiano! Fazer isso cazamiga no bar pódi! uhahuahuahua

    Ah sei lá acho que tudo tem um limite, não o “limite” que a sociedade impõe… mas o limite do bom senso mesmo! Tem gente que força a barra e fica ridículo…

    :*

  8. Eu gostei do post Max. Sou fã recente do BC, adorei seu video sobre orgasmo prostatico e na infância fui feminino. Era uma coisa natural minha e na época nada eu podia fazer para fugir do preconceito e maus tratos dos colegas. Passei a ser introspectivo, sempre com medo/receio de alguém apontando para mim. E depois de uma terapia imposta, a discriminação da sociedade e a idade eu passei a emodular o homem ht próximo. Hoje alguns percebem a minha condição sexual, a maioria se questiona, outros não percebem e poucos não se importam se sou ou não. O que quero dizer é que com o tempo eu aprendi que a opnião mais importante sobre mim mesmo é a minha. E se a minha consciencia está tranquila ninguém vai sulbjulgar. Rapazes efeminados não me causam tesão. Isso é uma preferência minha. E por conta disso eu não os falto com respeito, não os discrimino na/da sociedade ou penso que eles deploram a “imagem gay”. É claro! A maioria das pessoas acham que um cara ao assumir que é gay automaticamente será afeminado. Talvez isso (ainda) aconteca pq o “gay não efeminado” não se assume, não se impõe. Eu sei que não é fácil! Para nenhum de nós. Mas se você não faz valer a sua voz, não discrimine aqueles que falam por você.

    flwae
    Parabéns pelo blog.
    xt

  9. “Se bem que ser ativo ou passivo não tem nada a ver com ser pintosa ou não.”

    E É AÍ QUE MORA A GRAÇA DAS COISAS.
    FICO EXCITADO AO DESCOBRIR UM CARA BOMBADÃO, MACHÃO QUE AMA LOUCAMENTE DAR E A BICHINHA TRI-LI-LI QUE COME ELE…

    As coisas, quando dão na cara o que são, não têm graça alguma.

  10. Quando eu era mais novo, cheguei a apanhar por ser mais feminino. Uma palavra proíbida aqui em casa era ” maricas”…rs

    Lembro que eu participava de um coral na igreja, e ficava com medo de cantar, pois achava que iriam perceber minha voz “mole”…rs

    Hj eu sou um kra que passa por hétero, ñ sou assumido, mas confortável com minha sexualidade.

    Esse blá blá era só pra falar que eu preciso de um teraupeta…rs…e que as pessoas são o q são. Forjar algo é tão patético!

Comenta, beesha!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s