Meu amigo hétero


"Rhum, não tanto, brother"

Uma das relações de amizade mais complicadas é entre indíviduos homossexuais (em especial assumidos) e heterossexuais. Há uma desconfiança mútua: os gays temem a reprovação e a violência física e verbal e os héteros temem ser associados a homossexualidade, desejados e até abusados. Mas pouco-a-pouco essas barreiras vão sendo quebradas e como atores da história temos que contribuir para isso. Por exemplo, se seu amigo diz que é hétero não adianta a senhora ficar fazendo a uó e investindo pau-no-cuzamente o tempo todo. Se ele é hétero ele não te deseja e não vai passar magicamente a te desejar, seu edí, ao contrário do que você pensa, não tem este poder. Você gosta quando aquela sua amiga rachinha fala que você só é gay porque não comeu a boceta dela ainda?! Então, é a mesma coisa. Temos que aceitar a heterossexualidade de nossos amigos. Sei, é díficil, mas pra ele também é dificil aceitar a sua. Isso é respeito a diversidade, entende? É uma via de mão dupla, tem que vir de ambos os lados. Mas a questão da sexualidade também não precisa ser um tabu…

"Que foi, brow?!"

Eu tive a sorte de ter um grande amigo hétero homem na fase adulta. Aliás, por incrível que pareça, foi ele quem me “tirou do armário”. “Pô, cara, se você for gay, pode falar, não tem problema, vai continuar tudo igual entre nós”, ele disse, e eu me assumi pela primeira vez. Ele ouvia minhas histórias homoeróticas, fazia aquela cara de nojinho e sempre me aconselhava.

Eu fazia o mesmo com os casos de racha dele. Havia uma naturalidade no tratar da intimidade, na auto-revelação, assim como deve ser toda relação de amizade. Mesmo sabendo de minha homossexualidade me chamava pra dormir na casa dele, os pais dele também sabiam de mim e me aceitavam numa boa. Ele sem se importar ficava semi-nu na minha frente e dormíamos no mesmo quarto em camas lado a lado. A tentação vinha, claro. Eu olhava pro lado e via as formas do corpo masculino, os pêlos e me excitava, porém sempre respeitei a orientação sexual dele. Era como uma paga pela mesma aceitação que ele tinha por mim, como eu disse mais acima que deve ser.

Hoje nos afastamos, pois ele se casou. E adivinha quem foi o padrinho de casamento dele?

"Meu amigo gay!"

Mesmo sendo evangélico (adventista) fez questão que eu entrasse na igreja! No convite do casamento constavam meu nome e de meu companheiro, me senti bastante feliz com essa valorização pública da minha relação e fiz um pensamnto positivo para que num futuro próximo o mundo todo seja assim. E se eu tivesse ficado o atacando e o assediando seria da mesma forma? Respeitemos para sermos respeitados. Cata eu fazendo a conselheira!

30 comentários sobre “Meu amigo hétero

  1. Gente que emoção essa história! Meu amigo hetero quando contei que era gay surtou e nunca mais falou cmgo… uÓ! Mass em compensasão o meu grande best ht ainda continua meu amigo e tbm “me tirou do armario” numa boa! Mas a distância tá me afastando um pouco dele!

    Enfim amizade gay/ht existe e é o máximo, agente pára de bichisse um pouco huahuahuahuahu!

  2. Perfeito o texto, espero um dia ter amigos como esses!

    já tenho alguns que sabem de mim, mas são do tipo (preciso me adaptar) rsrs ainda são um pouco afastados, mas acho que isso muda com o tempo.

  3. É uma relação que todo mundo fica sem jeito. Algo que não colabora são as atitudes extremas do politicamente correto, se pisa em ovos nessa interação, tira a naturalidade que uma amizade pode ter.

    Claro que esse é só um dos apectos que servem de obstáculo, mas se houvesse mais naturalidade, ajudaria bastante.

  4. O comportamento adotado pelo seu amigo após a revelação de sua orientação sexual é a prova de fogo da relação. Poderá haver um distanciamento, pois ele estará revendo seus conceitos mais intimos, porém se for seu AMIGO ele ficará a seu lado e chegará até mesmo a tecer piadas de gays, pois quanto mais verdadeira a amizade maior é a liberdade/ intimidade. A orientação é apenas mais uma faceta da personalidade do individuo e tem q ser respeitada, seja gay ou não

  5. Nunca tive esse problema…não dou em cima dos meus colegas héteros…eu os respeito..

    óbvio que sempre tem brincadeiras, mas eles sabem que são só brincadeiras.

    Mas é estranho mesmo…

    quando vc é legal com um hétero ( eu, por exemplo que sou assumido), o sujeito acha que vc tá dando mole……ai ai…eu acho até engraçado…

    Como se eu fosse bilha de dar mole pra cara hétero e como se eu fosse uma pessoa (aí é bem pessoal) de ficar jogando indiretinha ( que eu acho uma gastação só).

    como eu percebi nos últimos tempos: Não gosto de hétero, goso de gay.

    se me gaydar não me revela que o cara é gay, eu perco o tesão…

    as vezes acho bonito, mas eu tb acho mulher bonita e, nem por isso, quero come-la.

    sem mais.

  6. Ahhhhhhhhh…

    não sei se tem, mas poderia dar um título pra tópico…

    Tipo: Gays não assumidos ( nem pra ele mesmo, quer se enganar…) e que tem namoradas, estão noivos….

    gente…..que uó isso né….às vezes eu fico vendo as figuras e pensando: G-ZUIS…essa mulher é cega??! Esse cara tá se enganado por quê??!

    Logo enganár a muá cujo gaydar é apuradíssimo….eu falo assim para meus amigos:

    Aquele cara ali é gay…e, se não for, um dia será…..por que ele tá se enganado…

    tipo mãe diná.

    auhauhauhauah

    • Gataa, cada um sabe a vida que leva e se deve assumir ou nao.

      Conheço uns E já conheCIII outros gays q são assumidos pra si, se aceitam, mas nao se declaram para família. Por quê ?

      Um nao assume pq o pai, já de idade, é do exército e se souber ACHA q será posto pra fora de casa e possui apenas 17 anos. O outro, tem um pai q sofre de depressão – nao lembro o motivo -, mas tem medo do pai descobrir e o quadro de deprê piorar. Depressão pode levar à morte, sabia?. Tanto que, por isso, arranjou uma namoraDA – nao é certo enganar outra pessoa, eu sei -, mas sabe lá se nao é uma amiga sapa, HT q ta ajudando… Há “N” motivos para alguem nao se assumir. Além disso, conheço uns gays em vix, q as namoradas sabem q são gays mas nao se importam e namoram com eles mesmo assim. E se conheceram na Muuviiii. Um guri q faz medicina na Emescam é um exemplo. O ser humano é diversidade, há gosto pra tudooo…

      Mas ai chega uma BESHA, toda chateada que nem vc, q se assumiu e QUER QUE TODOS FAÇAM O MESMO, e fica JULGANDO ou conta pra alguém da familia.
      Comentários como os seus, já ouvi diversas vezes:
      ” Ele ta se ENGANANDO porquê?” ou ” A menina é cega, terei q contar pra elaa ou para um amigo dela” … Já vi isso acontecer ¬¬
      Reparo mta gente(gay/HT) sem NOção e ocupado com a vida alheia.Agem SEM PENSAR nas consequencias.Um bando de imaturos.
      No caso ai do pai do guri q é depressivo, e se o véio morrer devido a uma fofoca de uma bee q nao tem o q fazer?

      Se as pessoas nao assumem NAO É À TOA, rapaz. Pare com esses pensamentos e julgamentos. Mania de querer se meter na vida dos outros. Vc conhece a realidade dessas pessoas ?? NAO! Desculpe-me entao, mas Cale a boca.

      To errado ?? MelllCuuuu einnn… 🙂

      • 1º Cara…pra começo de conversa essa é a minha opinião e, se vc não gostou esse é um problema seu, não meu.

        2° “mas sabe lá se nao é uma amiga sapa, HT q ta ajudando… ”
        kkkkkkkkkkkkkkk qual a porcentagem disso??? 1 pra um milhão ou 1 pra 1 bilhão ???

        Eu julgo sim! todo mundo julga…então não vem fazer a Sandy pra cima de mim não querida…

        E eu queria que todos fizessem o mesmo SE ASSUMISSEM….a união faz a força e vejo gente tentando se enganar e enganar os outros…..Quanto a SE ENGANAR ótimo…..a gente ri na mesa do bar……Quanto a ENGANAR OS OUTROS…..NÃO ACEITO.

        EU TENHO UMA FILOSOFIA DE VIDA, E ATÉ AGORA TEM DADO CERTO:
        SE A PESSOA NÃO ME ACEITA ENTÃO ELA NÃO ME MERECE….
        PODE SER MÃE, PAI, AVô, AVÓ, IRMÃO, CACHORRO. PIRIQUITO….TANTO FAZ….
        POR QUE EU TENHOP QUE ACEITÁ-LOS COMO SÃO E ELES NÃO PODEM ME ACEITAR COMO EU SOU????

        SE A MULHER GOSTAR DO CARA SENDO VIADO E ELA CONSENTIR COM ISSO, ÓTIMO….MAS NA MAIORIA DAS VEZES NÃO É ASIM, O CARA JURA DE PÉ JUNTO QUE É HETERO.,…PORRA….ACORDA ALICE! QUE DESESPERO É ESSE????!!!

        A PROBABILIDADE DO CARA SER UM FRUSTRADO E VIR A TRAIR A MULHER POSTERIORMENTE É GRANDE….MUITO, MUITO GRANDE…..

        • VC VAI NA MESA DO BAR PRA QU~E, SANDY????

          EU VOU PRA TRÊS ÚNICAS COISAS:

          1ºPRA BEBER
          2° PRA COMPANHIA DOS AMIGOS E COLEGUINHAS.
          3° PRA FALAR MAL DOS OUTROS….e não me venham com churumelas….não vem com a Sandy pra cima de mim não…

          Aliás, dicutindo isso com amigos, entrou a palavra BISEXUALIDADE, GAY QUE NÃO SE ASSUME, DOENÇAS, HIV emmulheres héteros, casadas e donas de casa…..Não falei isso aqui pra não criar mais polêmica, mas como vc.

          E TAMBÉM NÃO VENHA ME FALAR QUE TODO GAY QUE NÃO SE ASSUME TEM PAI COM DEPRESSÃO, TEMGENTE PRA MORRER NA FAMÍLIA, A FAMÍLIA TODA TEM PROPENSÃO AO INFARTO….FAMÍLIA EVANG´LICA…BLA BLA BLA…

          NA MAIORIA DAS VEZES É MEDO MESMO….MEDO DE REJEIÇÃO.

          • Gata, to nem ai pro q vc fala em mesa de bar, apenas acho errado as pessoas se METEREM na vida dos outros, DE FORMA DIRETA. IR lá e contar pra alguem da familia, espalhar etc.Tipo, o q isso muda na vida do cara ? Nada ! E mesmo se mudasse.
            Pensem, achem o q quiserem.

            Concordo com vc qdo diz q TODO mundo fala de TODO mundo. Falam se vc é gay, feio, gordo, mau hálito, nariz torto, branco demais, negro demais, brega, pobre, rico, se é certo demais, se é puta, se faz a sandy, egoísta, individualista, bom demais etc… É do ser humano nao achar ninguem perfeito, pq se assim o fizesse, automaticamente se sentiria inferior, afinal, ninguem Se acha perfeito…
            Em fim, nao acho certo é ir se entrometer nas decisões que os outros tomam para suas vidas.

            Acho apenas o seguinte:
            Como vc é assumido e GOSTA de ser respeitado, os não assumidos tbm GOSTAM de ser respeitados, independente dos motivos q possuem.
            Simples ! 🙂

            Obs.: defendo tanto pq tenho uns amigos nestas situações. Meus pêsames a eles rsrsrs, mas por um lado os entendo.

  7. Não acho que o tópico seja este e sim o da relação de amizade entre HTs e gays. Entretando, com relação ao q disse, acho q cada um tem o tempo certo de se assumir p si e p a sociedade. Quando um amigo HT pergunta se o cara é Gay, pergunto: por q motivo quer saber? Tá afim? se estiver vou perguntar a ele prá vc. o constrangimento serve prá dar uma lição naqueles HTs q tentam desta forma diminuir o cara o “acusando” d ser gay”

  8. gostaria q abrissem este endereço de imagem e vissem mais uma opçao de diversao amanha sabado dia 13 aki na capital…

    • Gataaaaa,,,, Que flyer é esse q nao tem endereço ??
      Tá igual os flyers de pizzaria do meu bairro. Vem tudo escrito, mas sem endereço.
      Pense q vc ta numa mesa de bar e ai recebe um flyer desse.Vc irá pensar:
      ” nuss, mas onde é isso? TErei q ter o trabalho de ligar pra alguem pra saber onde é o rock? ISso pode ser aqui ou na puta q pariu.”
      Eu sei q nao é trabalho algum pegar o cel e ligar, mas pense se as pessoas fazem isso mesmo. Isso nao é dificuldade, mas já desmotiva mais de 80% dos clientes, pois já deveria estar no flyer
      Conserta ai blz…

  9. Foram pra Ufes né?! Não quiseram causar na @bsurda no teacher’s pub nééééam… Perdeeeeram a fexxxta bonita! Na próxima vez pega na minha mão e VEEEEEEEEM COMEEEEEGO bunitaaaah

  10. Parabéns pela matéria!

    Já fui adventista, e conheci meu marido na igreja ( PASSADA EM CHRISTO), e muitos “amigos” da igreja afastaram-se de nós.

    Só ficaram 3 amigos e sempre vêm em minha casa e nos convidam para eventos da igreja.

    Confesso que não me sinto bem na igreja, são muitos olhares tortos, e como o sangue ferve, prefiro não ir.

    Acho mt digno amizade assim!

  11. Sou apedrejada diariamente, diz modelo transexual brasileira
    Publicidade
    DE SÃO PAULO

    Entre cruzes e espinhos, a brasileira Lea T., 28, abriu seu caminho na moda.

    Acompanhe a Folha no Twitter
    Conheça a página da Folha no Facebook

    Apadrinhada pelo amigo Riccardo Tisci, diretor criativo da Givenchy, estrelou desfiles e campanha da grife francesa. Em contrapartida, ganhou o pesado título de primeira top transexual do mundo. “Se eu pensar nisso de ser pioneira, nem saio da cama”, disse a modelo, em entrevista exclusiva à coluna Última Moda, assinada por Vivian Whiteman e publicada na Folha de hoje.

    Estrela de editoriais das maiores revistas do mundo, incluindo o próximo número da influente revista “Love”, Lea também está sendo assediada por grifes brasileiras, que a convidaram para desfilar na São Paulo Fashion Week. A top acaba de ser contratada pela agência brasileira Way, que confirma os convites, embora não revele o nome das marcas.

    Karel Losenicky/Way Model/Divulgação

    A modelo Lea T.

    Lea, que nasceu Leandro, mora em Milão, para onde foi ainda criança, por conta da carreira internacional de seu pai, o ex-jogador de futebol Toninho Cerezo. De lá, por telefone, falou sobre família, carreira e do preconceito que enfrenta diariamente:

    Folha – Por que você acha que Tisci te chamou para ser um dos rostos da Givenchy?

    Lea T. – Pela nossa amizade. Conheci o Riccardo há uns dez anos, ele era recém-formado e estava batalhando pra entrar no mercado. Sempre nos ajudamos. E quando ele me chamou para fazer trabalhos para a Givenchy, primeiro como assistente dele e depois como modelo, eu estava passando por uma fase muito difícil, de depressão…

    O que estava acontecendo?

    Assumir a realidade de ser transexual é muito complicado. Sabe, comecei a pensar no futuro e não via nenhuma perspectiva, nada que pudesse ultrapassar o preconceito que eu sentia e sinto em relação a mim. E aí veio o Riccardo, que é capaz de entender a complexidade de um conflito humano. Ele me deu uma voz para que eu pudesse enviar uma mensagem.

    E que mensagem é essa?

    Que transexual não é sinônimo de promiscuidade, como muitos pensam. Que podemos ter amigos, batalhar por uma carreira, por nossa vida, que não precisamos baixar a cabeça, com vergonha de nós mesmos.

    Quando você fez uma foto nua para a “Vogue” francesa, qual foi seu objetivo?

    Mostrar o que eu sou hoje, meu corpo, minha verdade. Infelizmente, tudo foi deturpado, muita gente repercutiu aquilo como se fosse pornografia. Fiquei arrasada.

    A indústria da moda posa de tolerante quando o assunto é gênero e sexualidade. Essa imagem é verdadeira?

    Não. É claro que existem pessoas esclarecidas, mas tenho de me cuidar para não ser explorada, ridicularizada. Numa sessão de fotos, queriam que eu vestisse uma camiseta com um pênis desenhado. Desse choque barato, raso e burro não participo. Fora aqueles que me pedem pra ficar pelada entre uma foto e outra na frente de uma equipe gigante. Sobra hipocrisia e falta respeito.

    Você faz um tratamento preparatório para a operação de mudança de sexo. Como isso afeta seu corpo?

    Tomo muitos hormônios, que mexem com tudo, das formas do corpo ao humor. Fico cansada, com sono, triste, ansiosa. Além disso, para ser modelo, tenho de me encaixar no padrão das meninas, mas, mesmo com os hormônios, minha estrutura óssea é masculina.

    E como o fato de você ser famosa tem afetado sua família, especialmente seu pai, que é um atleta conhecido?

    Ai, é um sofrimento só. Escreveram em sites e jornais, no Brasil, que meu pai me odiava, que tinha nojo de mim. Isso é mentira. Eu amo o meu pai, e ele me ama. Não é fácil pra ele entender as escolhas que fiz para a minha vida, mas são dificuldades que enfrentamos com amor.

    Toparia desfilar na São Paulo Fashion Week?

    Quando publicaram absurdos sobre mim no Brasil, eu chorei, fiquei com raiva, falei que nunca mais pisaria aí. Mas repensei essa questão e acho que não tenho de ter medo. Se aceitei ser modelo para passar uma mensagem, não posso me acovardar.

    Você faz análise?

    Sim. Preciso muito da análise porque sou discriminada o tempo inteiro. Sou apedrejada diariamente: aguento olhares tortos e ofensas da hora que saio de casa até o momento que entro de volta. Se não fosse a análise, viveria trancada e deprimida.

    O que é ser feminina?

    Desde pequena meu pai dizia, “esse menino é muito feminino”. É engraçado, porque eu não era do tipo que brinca de boneca e quer botar as roupas da mãe. Era uma coisa minha, de jeito mesmo. Acho que a feminilidade é assim, algo natural, que se mostra no cotidiano. Se eu saio de casa de moletom, sem make, pra andar com o cachorro, ninguém percebe que nasci homem.

      • Nasce em berço de ouro, não sofre nem 1/6 do que a maioria das transex sofrem, e vem de gracinha? Dramaqueen é só pra viado, querida, você agora é mulher.

  12. Espero pelo dia no qual as relações sejam pautadas, antes de tudo, pelo respeito. E que não precisaremos mais nos importar tanto com os prefixos empregados em “sexualidade”.

  13. Dé disse:

    “Ele ouvia minhas histórias homoeróticas, fazia aquela cara de nojinho e sempre me aconcelhava.”

    Querido Dé,
    Escrevo cartas para um grupo de discussão e já passei pelo constrangimento de cometer um erro gravíssimo de língua portuguesa. Obtive melhoras quando, humildemente, convoquei meu grupo para pedir revisões entre si antes que qualquer material fosse publicado. Espero que possa receber as críticas da mesma forma que receba os elogios. Parabéns sempre pelo trabalho que está sempre crescendo e, com isso, assumindo um compromisso com o perfeccionismo. Abraços.

    • Acho que foi erro de digitação, afinal no fim do texto ele escreve da maneira correta: “Cata eu fazendo a conselheira!”

      No mais, obrigado pelo toque.

  14. Eu também tenho meu grande amigo hetero, ele é muito gente fina comigo, nos respitamos muito. Ele me pegou beijando outro cara, fez aquela pergunta clássica. Achei que ele iria me sujar na faculdade, mas pelo contrário. Diferente de muitos amigos heteros quando descobrem o amigo gay, esse meu amigo me abraça não mantém distância de mim, me trata como um irmão de verdade, tudo isso porque não sou efeminado, não dou pinta, não tenho aqueles trejeitos (ser gay, passivo e macho é lindo; assim sou eu). Lógico que as vezes bate sim aquele tesão, aquela vontade de transar e beijar ele e um detalhe… meu gaydar as vezes apita alto mas não confio muito porque ele é falho. Mas prefiro um grande amigo que ele é pra mim do que o mesmo me odiando.

Comenta, beesha!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s