A comunidade LGBT e os rótulos…


Diariamente nós escutamos, seja na roda de amigos, seja de um conhecido falando de outra pessoa, seja no sentido pejorativo, as palavras “viado” e “sapatão”. Elas existem e estão circulando por aí… Mas, como se sentir ofendido, quando usa-se a mesma palavra que discrimina, como apelido carinhoso?

A maioria das pessoas, costuma relacionar “lésbica”, com aquelas mulheres mais femininas, normalmente as passivas da relação, enquanto “sapatão” classificaria as masculinas e ativas. Não sei se existe algo referente a essa divisão de termos para os gays, se houver, deixem nos comentários.

Tornando o assunto mais real, estava conversando com um colega ht e ele então me perguntou, porque nos sentimos ofendidas ao ouvir “sapatão” no sentido pejorativo, se nós usamos essa palavra nos nossos círculos sociais? Ele argumentou que de um jeito ou de outro, nós mesmos incitávamos o preconceito e deu o seguinte exemplo:

“Uma criança escuta um grupo de gays, conversando, “viado” pra lá, “viado” pra cá… Ele chega em casa e escuta o pai falando que o filho do vizinho é “viado”, a mãe diz que prefere ter um filho drogado do que “viado”.”

O que você acha que vai rolar na mente dessa pessoa!?

Resolvi abrir a discussão disso, já que eu não consegui responder a pergunta dele. Então, usar palavras que rotulam, incita o preconceito? Nós temos o direito de cobrar respeito das pessoas que usem esse termos, apesar de usarmos diariamente? Já aconteceu algo parecido com você?

32 comentários sobre “A comunidade LGBT e os rótulos…

  1. axu que isso acontece em todos as comunidades..entre os negros também acontece muito isso…penso q vem do tom e da forma como é dito… com preconceito ou sem ele

    • verdade, canso de ouvir aqui na rua os muleques gritando/falando uns com os outros: Oh seu preto safado! mas td mundo sabe q n eh no sentido perjorativo…

  2. Pra mim isso é completamente subjetivo.

    Todos os meus amigos sao HT, a maioria sabe sobre minha sexualidade e nunca me ofendi com eles, eu mesmo os chamo frequentemente de viado e eles a mim (isso desde antes de eu sair do closed).

    Em determinados momentos nos chamamos de FdP tbm, concordo que esses nomes não são um habito saudável, mas o fato é que cada pessoa sabe quando está sendo ofendido, mesmo q atraves de sarcasmo.

    Pra mim a questão é no tratamento, te tratarem como “amigo(a)” é uma coisa, se te tratarem como “amigo(a) viado/sapatão” é outra.

  3. infelizmente algunhas palavras existem e estão ai..o problema é como são usadas e qando…vc mesmo d certa maneira com os post deu a resposta pro seu amigo(me apresenta ele adoraria discutir sobrte o assunto)..

    sendo claro»»» viadinho NEN DOEU NÉH »»»»» AGORA viado…VIU COMO JA N FICOU LEGAL… DEPENDE D QEN FALA E POR Q SE FALA…

    EU LEVEI UMA VIDA ATÉ ACEITA OUVI A PALAVRA VIADO DIRECIONADA A MIM

  4. Acho que o preconceito não tá na palavra em si, mas no sentido que é usada! Tenho amigos hts que me chamam do viado, de bicha, mas é por força do hábito, assim como eu os chamo de “reprodutores” rs
    Tudo está no sentido que se utiliza. Eu posso chamar alguém que é negro de “preto” sem ser preconceituoso, de uma forma carinhosa (como chamo meu cunhado que é negro) e posso chamar de “afro-descendente” sendo preconceituoso… Vai da cabeça de cada um…

    • Concordo com vc, James. Meu irmão vive chamando os amigos de negão pra lá, negão p ca. É carinhoso. O mesmo p bicha, viado, sapata… Tudo depende de como se fala.

  5. Tudo depende da forma como é dida.

    Um simples “querida..” ou “meu amor…” “fofinha…” pode ser mal aceito se for dito de forma deboxada e em uma situação em que a pessoa não te considera realmente uma querida. Assim como um “piranha” “vadia”… “puta”…”filho da puta” ou um “vai tomar no cu” também podem ser ditos de forma “carinhosa” sem a intenção de ofender.

    Agora quanto a chamar as lésbicas masculinizadas de SAPATÃO, isso também acontece com os gays sim… se o cara for masculino e sem trejeitos, chamamos apenas de gay na maioria das vezes… mas se for mega efeminado, chamamos de bibinha… frutinha… viadinha… garota… mulher… moça…. etc.

    Tudo depende de como a pessoa se apresenta. Uma garota toda fechando na ECHO… BILLABONG… QUICKSILVER (fake), vai ser chamada de sapatão, caminhoneira.. pocatora.. mulher-macho sim… e acho q fez por merecer, pois se vestiu como homem, portanto, deve ser tratada como tal. Assim como um travesti deve ser tratado como mulher, pois está vestido como uma.

  6. Dependendo da maneira como é dita não me sinto ofendido, mas eu não acho bacana ficar de “viado” prá cá “viado” pra lá! Realmente resulta no preconceito, pra quem está de fora e pra poucos que estão dentro soa como falta de respeito consigo mesmo.

  7. COMO TODO MUNDO JÁ DISSE AQUI:
    TUDO DEPENDE DE COMO SE FALA. NAS NOSSAS RODINHAS,SEMPRE ROLA: VINHADO,BEEESHA,E AFINS
    MAS CLARO QUE É CARINHOSO,AGORA VC´S LEMBRAM DO DOURADO NO BBB,QUE CHAMOU O SERGINHO DE VIADO E DEPOIS VEIO SE DESCULPAR,PQ ACHAVA QUE PODIA,JÁ QUE O DICESAR E A LIA O CHAMAVAM ASSIM TB?
    É MEIO QUE DESSE JEITO…
    MAS SE ME PERGUNTAREM COMO PREFIRO SER CHAMADO,DELICIA,É UMA BOA IDÉIA…KKK

    BJOGENTE

  8. Isso depende de quem diz, mas principalmente de quem é chamado!

    Tem gente que tem mania de perseguição! acham que todo hetero que o chama de viado ou sapatão está sendo preconceituoso, a pessoa já se diminui e se encaixa no perfil de vitima.

  9. Iza, falando em Rótulos..
    Li uma matéria no site da rádio glbt aqui do estado e fiquei chocado.
    Segundo a matéria a Anvisa não aceita doação de pessoas homossexuais..
    Gostaria que vc’s do blog, que tem mais prática e acessos a informações, para averiguarem se isto procede.

    Segue um CTRL+C da matéria…

    Bjos e obrigado!!!

    “ANVISA: \”Gay não pode doar sangue\”
    clique para ampliar Segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil precisa de 5.500 bolsas de sangue por dia.

    Você já pode doar sangue? Se você é homem e alguma vez teve relações sexuais com outro homem a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), pede para informar que você está impedido de ser doador.

    A Agência parte do pressuposto de que ser gay ou bissexual é um modo de vida promíscuo, e mantém a idéia equivocada de que “existem grupos de risco’’. A proibição contraria o ato solidário da doação de sangue.

    A Coordenação de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde através da Portaria 1376/93 proíbe aos gays a doação de sangue. Desde que oficializada, nenhum banco de sangue público ou privado do Brasil pode aceitar doação de sangue de homens homossexuais.

    Mas qual a origem dessa restrição? Anos 1980, quando a AIDS foi tachada de “doença gay”. A mídia, a medicina e a polícia se uniram para criar um estigma: ser portador de HIV significava, necessariamente, ter tido relações homossexuais.

    O futuro mostrou que não era bem assim. E os lares heterossexuais não estavam imunes à AIDS. Tanto que, atualmente – ainda com dados do Ministério da Saúde – 75% das pessoas infectadas com HIV/AIDS são heterossexuais.

    Mas sabem o que revolta mesmo nessa história? A hipocrisia! Sim porque se um gay dor a um hemocentro e se declarar heterossexual, não há impedimento algum! O sangue dele será colhido e muito bem recebido. Trata-se de um constrangimento e uma incoerência sem tamanho. É vergonhoso termos uma resolução federal baseada em puro preconceito, em resquícios de um pânico geral que tomou conta do país no final dos anos 1980 e início da década de 1990 (para ter um panorama completo sobre o assunto, ler a parte VII de Devassos no Paraíso, João Silvério Trevisan).

    A questão é bastante séria. As campanhas para a doação de sangue evocam a cidadania de quem está disposto a doar. Ao mesmo tempo, nega um direito aos gays, excluídos de exercer uma ação solidária, colocando-os, mais uma vez, à margem.

    A tal portaria da Anvisa se esquece de que todo sangue doado passa por rigorosos testes para impedir possíveis infecções durante a transfusão. Logo, não se justifica a invasão de privacidade e constrangimento pelo qual pode passar o doador homossexual. Não há o menor risco para os receptores.

    Essa discriminação hipócrita se torna ainda mais absurda quando sabemos que Brasil, cerca de 1% da população é doadora de sangue, quando a ONU (Organização das Nações Unidas) recomenda que o ideal seja de pelo menos 6% doe.

    Ao negar a doação de sangue por homossexuais, o Estado comete dois gravíssimos equívocos: invasão de privacidade e discriminação contra os homossexuais.”

    • Pois é.. é uma pena isso. Já quis doar sangue, me cadastrei no banco de dados de doadores de medula óssea…porém… quando vi essa regra fiquei super triste.

      É claro que não custa nada chegar lá e mentir…

      Mas na boa? Se eles nos julgam promíscuos e o caralho a 4… que fiquem então mendigando bolsas de sangue para os HTs ‘santos’. Só mentiria nesses casos em caso de extrema necessidade…

      • PREFIRO ENTÃO GUARDAR MEU PRECIOSO SANGUE E DOAR PARA QUEM EU CONHEÇA,JÁ QUE SOU SUJO PARA DOAR POR SER GAY.REVOLTANTE UMA COISA DESSAS.ENTÃO SE EU SOU HT NÃO TEM PROBLEMA?
        AHAM CLAUDIA,SENTA LÁ!
        NÃO É PQ SOU GAY QUE SOU SUJO NÃO,EU GOSTO DE MIM E ME CUIDO,SE ESSE É O PROBLEMA.POR ACASO VC DIZER QUE É HT IMPEDE DE SER FEITOS EXAMES QUE COMPROVEM QUE SEU SANGUE PODE OU NÃO SER USADO?
        FAZ FAVOR NÉ
        AI REVOLTANTE,ESTOU ME SENTINDO ATÉ MAL COM ISSO!!!
        PRECISAMOS AGIR DE ALGUMA FORMA.

      • Eu sabia, mas na inocencia no rote solidario da minha facu fiz o favor de falar q tinha namorada hsauehause, a desculpa foi a anemia hasuehuaheusaheuah. Na proxima vou mentir mexxmo

      • Juro pra vc que não sabia…
        Para vc ter uma idéia, no ano passado, antes do carnaval, vi uma mátéria em um jornal que nestes períodos as doações diminuem. me sentir sensibilizado e fui lá doar no Hemo Serv, do lado do HEMOES. pensei que até era a mesma coisa. Na triagem, a moça me fez algumas perguntas e perguntou se tinha tido relações com homens recentemente, pensei um pouco antes de responder e disse sim, que porém com camisinha. Logo após, fui conduzido para sala de coleta (que por sinal, tinha alguns técnicos de enfermagem que meu gaydar, me dizia que eram do BABADO) e fiz a doação..
        Agora te pergunto, será que minha bolsa de sangue foi descartada depois que fui embora???

  10. MUDANDO DE ASSUNTO…..

    Genthyyy acooordaam besshass,,,

    Bom falando serio agora,,,acho que quando estamos numa roda de amigos, falando de uma beeh ou de uma racha, usaremos as nossas expressoes e acabou,,agora vc nao pode ficar falando isso em um bar cheio de torcedores, numa sinuca, em restaurante oriental…A sei lá,,,
    eu sei que EU sou EU,,,
    Mona ACOORDA o Mundo não é ROOSAA
    Mona tá florido agora TUDO É COLORIDO.

    HUAHUAHUUAH

  11. Acho que essa questão se é ofensivo é extremamente subjetiva. Antigamente tinha pavor que me chamassem de veado ou bicha, mesmo de brincadeira entre meus amigos gays. Hoje não vejo problemas em ser chamado desses termos, não por outros gays. Agora se for HT, depende, da intimidade que ele tem com vc, da intenção que ele teve.

    O termo queer, que em uma tradução precária (já que não fui alfabetizado em inglês, rsrsrsrsrsrsrs) significa: estranho/esquisito, também era usado de forma ofensiva nos países de língua inglesa.

    Até que ativistas (e passivistas tb, rsrsrsrsrsrs)do movimento LGBT resolveram atribuir um novo significado ao termo. A palavra queer, então, passou a ser entendida como uma prática de vida que se coloca contra as normas socialmente aceitas.

  12. Acho que aqui no Brasil também resgnificamos os termos veado e bicha, rsrsrsrsrssrsrs, de ofensa para apelido carinhoso entre as beeee

  13. Eu nem ligo mais… Oras, eu não sou “sapatão” mesmo? Cabe a cada um levar como ofensa ou não, se alguém me chama de “sapatão” na rua, tentando me ofender, eu simplesmente ignoro ou começo a rir como quem diz “É mesmo? Nem percebi”. Não ligo e ponto, se eu ficar me importando com ofensas direcionadas a mim o tempo todo, eu vou ser uma merdinha deprimida com minha vida… Prefiro achar graça que acaba ficando divertido.

    Se eu levo como ofensa, então continuarão a usar como ofensa, isso é óbvio! Se as pessoas vêem que isso atinge de forma negativa e tem propósito de fazer isso, é lógico que vão usar essas coisas p’ra ofender. Agora, se as pessoas vêem que não faz diferença nenhuma e que na verdade só faz ser engraçado, provavelmente irão parar com isso e ver que enquanto estão tentando me fazer de piada, elas mesmas estão sendo A piada.

    “Eu gosto de mulheres! Eu sou sapatão! Eu sou sargento! Fanxona! Lésbica!” HAHAHAHAHAHAHA

Comenta, beesha!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s