Pink money, trabalho e aceitação social: a hipocrisia capitalista


Pink Money!

Aprendi cedo uma lição não muito cidadã, mas que infelizmente se reafirma dia-a-dia. Logo que comecei a ensaiar a saída do armário, mas especificamente a primeira vez que fui a uma boate gay (a move), conheci um homem bastante interessante em vários aspectos. Ele era de certo modo até a figura caricata do “bom”: alto, loiro, olhos azuis, empresário, 40 anos, rico. Era também ativo e a neca era boa, foi o primeiro cara que fiz aquele caminho boate-cama, e chegamos até a começar um relacionamento mais sério, entretanto me apaixonei por outro cara que definitivamente não valeu a pena, mas isso tudo não vem ao caso. Conversando com esse sujetio ele me disse (fazia muito a linha conselheiro, talvez pela idade) que se eu trabalhasse e adquirisse uma renda, eu poderia me assumir e seria bem aceito. Citava  a própria história, trabalhava muito, tinha grana e posses e apesar de ser gay assumido numa pequena cidade do interior do estado ninguém o recriminava, ao contrário de outros gays da mesma cidade.

Enfim, o que quero discutr é que o capitalismo iguala a todos nós, enquanto potenciais consumidores. Ele cria essa linha de fuga para as minorias, de tal maneira que até se cria os chamados mercados de nichos e alguns deles nos tem como público alvo, mas a anistia a homofobia generalizada é restrita aos que são capitalizados. Apenas! Que realidade é essa que vivemos que privilegia e aceita apenas quem tem dinheiro e atira a obscuridade e a margem todo o resto que não seja macho-adulto-branco-saudável? Sentimos confortáveis em viver num mundo assim? Eu não.

Hoje foi aberta oficialmente as campanhas eleitorais. Este mês tem parada gay em Vitória. E nós o que estamos (estaremos) fazendo? Assistindo a tudo numa poltrona com a boca aberta escancarada esperando a morte chegar?

65 comentários sobre “Pink money, trabalho e aceitação social: a hipocrisia capitalista

  1. Queria ter mais tempo para comentar suas indagações, mas adianto que o advento da “humanização” através do capital está na origem desse sistema que todos engolem e engasgam o tempo todo. Marx analisa tal fato brilhantemente com o caso inglês. Hoje parece coisa do passado falar desse barbudo e travar esse tipo de discussão. Se você acha isso, realmente chegou ao ápice do que o próprio sistema queria de você: comodidade e acreditar na balela que o Sistema Capitalista é auto-regulável, e com isso achar normal as abissais desigualdades sociais no belo e livre mundo do século XXI.

    Parabéns pelo post, Dé. Abraços.

  2. Achey ke na relação macho-adulto -branco-saudavel ainda faltou consumidor ou algo ke o valha; o pior ke cada vez mais eu acho ke as coisas sao assim mesmo:
    Voce é o ke tem ou o ke pode comprar, pra nao ficar tao ofensivo.

    O capitalismo iguala a todas, e não é por baixo…

    Mas eu acredito ke numa cidade pekena, a grana não pese tanto se vc tiver uma profissao “respeitavel”, numa cidade grande vc é apenas mais um.

    O seu ficante estava coberto de razão!!

  3. muito relevante a questao, e bem propicio ao acontecimento
    democratico q iremos ter daqui pra frente…

    alias, poderiam informar esta data de parada que ira acontecer?

  4. Lucifer disse: “Voce é o ke tem ou o ke pode comprar, pra nao ficar tao ofensivo”. Concordo em gênero, número e grau. E vou mais além, lembra que falamos de Debord em alguns posts atrás em que dicutíamos algo sobre aparência? Então, acho que a senguinte reformulação da frase do Lúcifer se aplicaria ao vivemos hoje: Voce é o parece ter, o que parece ser ou o que parece pode comprar.

    Queria escrever mais, e apesar de não acordar cedo estou com sono. Muah =*

  5. É a primeira vez que posto um comentário no blog, desde ja, gostaria de parabeniza-los pelo ótimo trabalho, desenvolvimentos das ideias explandas, divulgações, críticas, comentários e semi-imparcialidade dos assuntos polêmicos (não existe ninguem imparcial).
    Bom, vivemos em um mundo capitalista, nascemos neste mundo, não apenas por ser gay ou hetero, valemos pelo que temos. Vemos isso nos atendimentos nas lojas de grifes, em shopping, em bares mais badalados da “vitorinha”, em fim… muito comum e normal. Normal, por ser algo que todos sofrem (negros, gays, idosos, pobres, gordinhos, magrelos, todas as demais tribos), se torna anormal, quando isso prejudica o próximo. Mas o pior mesmo, é quando isso acontece dentro de nossa própria casa, meio social ou tribo “os gays”. Dentro de nossa tribo existe varias sub-divisões, as bee que moram na Serra, as que moram em Terra Vermelha, as que moram no interior, as ghatas de JP, PC, JC… isso não deveria existir. Temos que primeiro arrumar a nossa casa, depois ir a luta por causas maiores. Temos que aproveitar que moramos em um kitnet (vitorinha) e tentar conscientizar entre nós. Não podemos ser hipócritas em dizer que isso não acontece dentro de nosso meio. Sei que é utópico eu escrever linhas e linhas, tentando chamar a atenção, mas se você que esta lendo puder ter um pouco mais de consciencia, e mudar em você mesmo, podemos mudar muita coisa la fora. Para finalizar, muito válido lutar sim, e sempre pelos nossos direitos, porque afinal, pagamos impostos, estamos no mesmo mundo, temos boa representação na economia e isso ja é provado. Vamos à luta e apoiar aqueles que apresentar a melhor proposta e cobrar isso la na frente.

    • As subdivisões existem só para os que as encherga ou pensam assim como vc. Para mim nao existe essas subdivisões.
      Eu me relaciono com qq pessoa, desde besha da praia do canto até as “pocPoc ” da chica, como alguns definem.
      Pra mim nao tem essa diferenciação. Se vc tem é pq vc criou isso , ou obviamente vc é influenciada pelas opinioes alheias.
      Nao me importa se para a grande maioria exista, importa o q eu acho, por isso nao vejo essas subdivisões.

      Ri litros com ” as ghatas de JP, PC, JC ”

      Só pq moram ali são bonitas ?? Conheço cada demônia que mora nesses lugares. Eita pré-conceito.
      MellDeuss…

  6. O seu ficante era um homossexual na cidade dele. O cabeleireiro da esquina da rua dele era apenas uma bichinha.
    Vamos falar de aceitação pela sociedade? Vamos falar de aceitação por nós mesmos, vejamos as segregações que encontramos nos clássicos posts semanais de programação das boates. A diferenciação entre quem vai à Move, à Ink, à Chica, ao Lui, às finadas The Pub, Bojangles, Heaven, etc.
    Se os próprios gays se diminuem ao classificar um semelhante de pão-com-ovo, poc poc, pobrinha, fazedora de carão, barbie, etc… como exigir que os não-gays desenvolvam respeito por nós?

    • Pois é, mtos falam isso, mas na prática, na real acho q mtos, para nao serem alvos de comentários, recuam, entram na roda e segregam junto.

      Eu gosto de ir em todas. Só na move q já to meio enjoadinho de ir, mas nao significa q nao vá.
      Sempre vejo alguns com cara de espanto(idiotice) qdo descobrem q vou a chica e ainda mais qdo me indagam perguntando se eu vou – pensando q irei negar – e digo q vou e q gostoo de ir.
      Nao gosto de discriminar, mto menos rotular pessoas.

      O ser humano é diversidade por natureza. Parem de qrer defini-lo

      • E me diz: já te perguntaram quantas vezes se na Chica só dá bicha velha e travesti? Falo isso porque sei que é mentira, mas muitos gays conhecidos fazem esta afirmação a plenos pulmões.

  7. Isso mesmo colegaa, ta apoiada…
    Mas para isso acontecer as bees entre elas tem que tomar postura.
    Pow existem preconceito entre elas msm,,,Que isso? Pra que existe a parada Gay? Expressar algo? ou beber demais e dizer que o ROCK foi MARAA…?

    Eu nao entendo!
    Mas tlvz posso estar errado néah amiga? Os tempos sao outros agora!

    rs

    bjos

  8. O sistema capitalista é consumista por natureza…para crescer tem que consumir e para isso tem que ter dinheiro.

    por isso que, segundo Marx, esse sistema é incompatível com a vida.

    Ora, se há acumulação de renda, e sempre haverá mais e mais, muito normal ter essas crises cíclicas de superprodução, já que há um disparate entre a produção e o consumo.

    e o ‘capetalismo’ igala as pessoas em seus costumes e exclui socialmente.

    aliás, para TRAVESTIS cmo a situação ainda é tensa, até aconselho o que o cara disse….

    agopra pra gay ( afeminado ou não), dá para dar o tapa a cara sem passar fome e crescer bastante como pessoa e cidadão. Se fosse há uns 30 anos….até aceitaria esse conselho, mas agora? Por que?

    E vamos combinar…..Nós gays estamos muito consumistas, somos um mercado ‘BOM’….
    Aquelas marcas dolce e gabbana, calvin klein ( é assim?) rs e outros…

    temos uma idéia que o trabalho edifica…
    …que quem trabalha fica estável e consegue pagar tudo…
    …que papai noel existe…

    enfim…

  9. Dé, arrazô no post! Tava vendo no jornal que terão 9 candidatos a presidencia! Dé vc poderia fazer uma enquete para ver em quem o publíco do Babado Certo votará para presidente e governador. Eu gostava muito de MARINA SILVA (PV) por sua militância junto ao meio ambiente, mas já descartei a possibilidade pois ela não se mostrou muito favorável a causa gay.

    Não vou muito com a cara do SERRA(PSDB) mas ele se mostrou favorável a união civil assim como o PLÍNIO ARRUDA (PSOL). Pensei em vota na DILMA (PT) pq o governo LULA tem feito um bom trabalho no campo dos direitos humanos e acho que ela irá dar continuidade, mas a declaração do SERRA me balançou.

    Já governador simpatizo com a BRICE BRAGATTO (PSOL)

    • Primeira vez postando a minha humilde opinião… volta e meia estou por aqui lendo os posts, e assuntos cabeça como este me chamam a atenção. Peço aos leitores que votem com consciência, também já andei dando uma lida sobre os candidatos, e além de outros aspectos é importante avaliar as causas que mais nos afetarão. Concordo com o colega aí de cima, e candidatos não favoráveis às causas gays estão, definitivamente, fora da minha lista de possível voto. Abraço a todos!

  10. De qualquer forma, mesmo dizendo que várias pessoas arrasaram. Quem realmente mandou mega bem foi o Dé. Querido parabéns pela forma como colocou seu pensamento, pelo texto claro e limpo, e por não perder mesmo assim as sua características ao escrever!!!!
    Falando agora sobre o tema, creio que costumamos teorizar muito, e claro, temos que fazer isso, mas por algumas vezes nos cercamos muito de teorias e esquecemos o prático. Citar Marx e outros pensadores é super importante e válido, mas temos que colocá-los, ou nos colocar, na situação, vivenciá-la, fazer uma espécie de pesquisa etnográfica mesmo.
    Pois bem, sobre a conversa do seu primeiro “ficante” de move e o lance do dinheiro. Claro ele foi infeliz na forma como colocou o que pensa, e o que de fato é real, pois sabemos sim que ascensão social nos tira da marginalidade, e não me refiro somente a gays, mas a mulheres, negros, etc.
    A questão é que em muitos casos o que nos salta aos olhos é a grana que a pessoa tem, logo, partimos do pré-suposto de que vale mais quem tem mais, ou quem aparenta ter mais. Acho esse tipo de pensamento muito pequeno, claro que não é descartável. Existe esse tipo de situação? Óbvio que existe, mas ele por si não serve para nos dar a tal liberdade que almejamos.
    Vejamos… Eu, por exemplo, sempre me sustentei no que eu produzi com pessoa num todo e não no que tenho, até mesmo porque não tenho muito, e acho que nos meios onde circulo sou bem aceito.
    Não acho que devamos ter a ilusão de querer ser aceito pelo mundo, mas devemos nos fazer importante em nosso mundo particular, ou seja, ter dinheiro, para mim, vai ser uma conseqüência do que produzo como _N_ (não vou colocar meu nome aqui, mas o considerem _N_) e não como gay. Claro, que assim como ponderei a cima, o ter grana vai ser uma das possibilidades que farão as pessoas me virem com olhos que não me restringirão ao ser gay, mas assim como a grana que porventura eu vier a ter, a minha índole, o meu caráter, o fato de ser, segundo minha mãe (rsrsrsrsr), bom filho, ser bom amigo, também serão motivos para este ou àquele grupo que freqüento me avalie e me aceite.
    Citaram a cima a questão do tal empresário da cidade e que ele teria mais respeito que a “bichinha” cabeleireira da região. Não vejo dessa forma, alias, até vejo, mas não teria um olhar simplista sobre a situação.
    Em qual grupo o tal loiro/bonito/ativo/empresário circula? Creio que entre as pessoas de “poder” de sua cidade, logo, é desse grupo que ele precisa/quer/e tem necessidade de aceitação e é para este grupo que ele deverá se mostrar, mais do que como gay, como cidadão. Mas e o cabeleireiro? Bem, este bem provável deve pertencer a um outro grupo, talvez o das senhoras e “madames” da cidade. Este, o cabeleireiro, precisa então ser aceito pela dita “nata” da sociedade? Creio que não, mas no grupo onde ele se presta a circular, com certeza ele tem total destaque, seja pela profissão que exerce, ou apenas pela pessoa que é.
    Para finalizar esse comentário/bíblia digo que valemos também pelo que SOMOS e não somente pelo que temos ou aparentamos ter, logo, não podemos ficar unicamente no discurso do que as pessoas esperam de nós, pois cada pessoa que está a minha volta “pede” um _N_ diferente; minha mãe pede o _N_ filho, meus irmãos o _N_ irmão, meus amigos o _N_ amigo, meu patrão o _N_ profissional, meus amigos fashionnistas o _N_ na moda, meus amigos xepeiros o _N_ com grana e por ai vai, cabe a mim decidir o que vale a pena e ao que quero me submeter.
    NO MAIS É ISSO! DESCULPA O COMENTÁRIO ENOOOORME, MAS ACHO QUE O POST PEDE ESSE TIPO DE DIVAGAÇÃO… RSRSRSRSR… BJOS E PARABÉNS NOVAMENTE DÉ!

  11. Dé, as Paradas Gays só aconteceram após as eleições, Todas: Vitoria/Vila-Velha/Cariacica/Colatina e Jacaraipe.

    O Forum LGBT Estadual se reune Seg 12/07 as 13:30 na SEMCID de Lá que vem estas informações.

    Com Exeção de uma que está ainda nas preparações para acontecer em São Gabriel que ainda não foi confirmada.

  12. Sobre os Candidatos a Presidente Marina Silva (PV) talvez seja mesmo a melhor opção, ela que afirmou que e afavor a união civil gay so foi contraria ao casamento em conotação religiosa o que não tem nada haver com o Estado, o que pegou mal para ela foi tentar colocar sua opiniao religiosa quando nao foi solicitado, demonstrando assim que o seu pesamento de estado Laico não e nada Laico.

    Já a Candidata Dilma que tem a mesma postura que o Presidente Lula ambos afavor a União Civil Gay não fizeram nada só deixaram sua opinião afavor??? e??? mais nada, sinceramente não sei se e muito ou estou menosprezando tão atitulde esperava mais!!

    • Caso a Marina venha a ganhar, o que acho muito difícil duvido que seja aprovada alguma lei que legalize o casamento entre homossexuais no país. Ela pode até ter dado ‘deixas’ de que mesmo sendo evangélica seria a favor da união civil, mas, depois que se assume o poder as coisas mudam completamente. Mesmo sendo ela a presidente, ela não teria poder pra criar e sancionar leis a torto a direita, ela não tem independência pra isso. E é ai que a opinião pública, principalmente daqueles que comungam na mesma religião que ela, vai pesar e a sardinha será puxada para os interesses partidários, e, porque não, pessoais da nossa candidata. O mesmo se aplica ao José Serra, que governa pra uma elite empresária, e EDIlma que tem direcionado seu palanque aos interesses das mulheres. Como falaram acima, apesar dos pesares o titio Lula tem feito um trabalho razoável. E sim, vou votar na EDIlma, afinal, nós formamos uma parcela da sociedade que também luta por igualdade de direitos assim como as mulheres. Quem sabe não pegamos um espaço, ainda que pequeno, nessa empreitada da Dilma?

  13. Acho que entendi a dica, Dé! ^^

    Apoiada a questão sobre a discussão em relação às eleições (o que já começou a ser feito, lembro-me de um post sobre os candidatos ao govreno do estado).

    Definitivamente, tal discussão tem proporções inimaginavelmente importantes. Queremos ação, certo? Peço desculpas se isso já é feito ou já foi colocado em qustão, mas aqui vai uma proposta: trazer o trabalho importante deste blogue (com tantos seguidores e autores conscientes – digo, pelo menos, do Dé e do Max, os qual eu conheço um pouco) para as ruas. Digo reunir-se para discutir estas coisas, propor estratégias de ação. Não é a criação de um partido político; é uma parcela da sociedade civil reunida para refletir sobre sua realidade e, quem sabe, tranformá-la, mesmo em pequenas atitudes. É isso. Que tal?

    Eu adoraria fomentar isso, mas não mais moro em Vitória. Porém, meu apoio virtual (espaço o qual, hoje em dia, não pode ser deixado de lado) é certo. E em visitas esporádicas à minha terrinha.

    Abraços a todos e Dé, quando quiser me visitar… Hehehe! O Rio de Janeiro é pertinho, hum?

  14. Ainda bem que é assim. Porque ter que aturar bichinha-pão-com-ovo achando que a vida é fácil não seria nada bom. Vai trabalhar, ralar, ver como a vida é pra depois pensar em ser fútil na Move. Bjo.

  15. Adorei o post, Dé. Realmente, isso é a mais pura verdade. Ter dinheiro esconde oo que a sociedade considera imperfeição.
    Precisamos batalhar e muito para reverter isso, pois essa visão está em todas as camadas da sociedade. Se o cara tem dinheiro pode fazer o que quiser.
    Parabéns pela qualidade da reflexão.

    PS: Quando será a Parada Gay de Vitória?

  16. “alto, loiro, olhos azuis, empresário, 40 anos, rico”

    Ai Dé acho que peguei ele tbm… se foi em meados de 2006/2007 uhauhahuahuahu!

    Ridícula essa questão do dinheiro… sonho morar num mundo que o dinheiro não tem valor nenhum… sem mais :*

  17. Mó orgulho da senhora politzada.

    Só vim aqui pra lembrar que a questão das minorias precisa ser tratada como um todo… Não são apenas os homossexuais, mas também mulheres, negros, portadores de necessidades especiais…

    Mas, por ser mulher e feminista, queria chamar ainda mais atenção para a questão de gênero. A questão homossexual sempre aparece como uma grande bandeira do movimento feminista, e gostaria de pedir aqui a recíproca do movimento gay, aproveitando a acolhida legal que eu vi que a ideia do Dé recebeu.

    Nessas eleições veja o que o seu candidato pensa sobre a questão da homossexual, mas veja também se ele se propõe a discutir políticas de igualdade e proteção às mulheres.

  18. Agora que estamos com visibilidade, vale lembrar: não votem em alguém porque ele é seu vizinho, é da sua roda de amigos, parece com você ou porque também é gay. Vote porque ele é honesto e capaz.
    Em breve deve pipocar candidato gay que só vai servir pra representar negativamente a classe – pensem nisso.

  19. Quer mudar as coisas? Campanha vote em quem nunca teve mandato! É so nao reeleger quem ja está aí… Apesar de acreditar que seria trocar 6 por meia duzia, é uma ideia…

  20. Ou seja, pior do que ser gay é ser gay e pobre. ASuAHSUASHuh
    Nossa, péssimo (não resisti).
    Dé, sempre que se discute aceitação o dinheiro é o primeiro a ser lembrado. Fato.
    Espero que a próxima parada seja um dia de protesto e não o que vimos até agora. Lembro de um post no blog sobre a parada gay nos EUA se não me engano, em que as pessoas saem com placas, faixas e camisas, fazendo valer sua opnião e não saindo seminus, bebendo até dar vexame e outras coisas que de certo não vão mudar por aqui.
    Falta bom senso, você pode dar a louca todos os dias, mas quando se trata dos seus direitos, pra bom entendedor…

  21. Meu pai mesmo me diz isso, que eu serei muito mais respeitada pelos outros quando tiver um emprego bom e dinheiro, Drª Oliveira ou whatever, independente de sexualidade… De fato é mesmo, não importa se você é homossexual ou não, você é muito mais respeitado quando tem DINHEIRO, porque DINHEIRO move o mundo, rs. Meu pai é uma dessas pessoas que vai me respeitar muito mais quando eu estiver formada e trabalhando em algo bom mesmo.
    Exemplo? Se eu saio do meu carrão zerado com uma namorada, as pessoas até vão esquecer de dizer “olha, duas lésbicas!”, vão falar “essa aí tem dinheiro, olha o carro!” HAHAHAHA Foi só p’ra quebrar o gelo, mas acho que foi fail.

  22. Somos uma empresa de brindes personalizados de Fortaleza e chegamos em seu site com a palavra “www.gustavoreiz.com.br” o que nos traz grande insteresse em realizar uma parceria, e por isso oferecemos amostras de brindes personalizados gratuito para ser sorteado entre os visitante de seu site. por Favor entre em contato para maiores informações, estaremos realizandos esta parceria com 3 sites, e adoramos o assunto “Pink money, trabalho e aceita????o social: a hipocrisia capitalista | .:BABADO CERTO:.”

Comenta, beesha!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s