Tchynna in Rio: Sexy Rose (continuação)


Eu sou bonita, absoluta, eu sou Tchynna!

Beeshas, arranjei um bofe escadalo que me oCUpou a semana toda. Genthy, que boy era aquele. Abafa. Aproveitei que ele viajou e vim terminar de escrever sobre minha viagem ao Rio de Janeiro. Antes que as fofoqueiras daqui saiam gritando, eu NÃO estou namorando! É um flerte, um fast affair. Outra coisa, uma maldosa fez um comentário péssimo esses dias, nem ia responder, mas quero frisar que quando falo de pegação não esqueço de falar de coisas como ecologia, imagina se eu ia esquecer de usar falar sobre camisinha! Nunca defendi a prática do barebacking aqui, até porque nunca fiz parte desse “movimento” – aliás, vou falar mais sobre o tema em outra oportunidade. Feito esse comentário, vamos ao fim da história (to louca pra contar as mais novas)!

Para quem leu o texto anterior, Tchynna estava explorando o sex-shop babadeiro. Depois de gastar minha ficha com o show da Rihanna resolvi aproveitar cada cantinho de lá. Sai da cabine e percebi que alguns olhares de pura lascívia para essa linda trava turbinada. Negociante nata, resolvi ver toda a oferta para depois ver o que levava. Passei por um cabine que estava aberta e uma Nessie ficou me encarando. Encarei a Nessie e já ia gritar “quiquié sua feia” quando vi que a neca dela era enoooorme. Menina, quando a Nessie é necuda a gente DÁ um desconto – se a oferta não fosse grande, eu dava outra coisa também. Vi uma movimentação num canto escuro e lá fui eu. Um beesha nervosa estava pilotando um super aviãozinho (para quem não sabe é quando a bee pega 4 de uma vez. um na boca, um no rabo e dois nas mãos). Fiquei louca, e juntei quatro cafuçus do bem e fiz a minha esquadrilha. Foi babado!

letras mágicas

letras mágicas

Após essa aventura área resolvi dar um descansada e beber um drink no bar. O dj colocou Frozen, da Madonna, para tocar. Um clima de mistério e magia tomou conta do ambiente. Quando percebi estava dentro do Dark Room em transe. Beeshosas, o Dark tava tão lotado que parecia a Fernando Ferrari em obras em horário de pica pico, lou seja, o movimento era apenas de centímetros (pra frente e pra trás). Eu estava perdida. Aquela música. Uhummm, hummm. Me senti numa procissão indiana – tá na moda, né?. O calor foi tomando conta do recinto, aquela marrofa surgindo e plim a música terminou. O cheio de nena entrou nas minhas narinas e eu voltei ao meu corpo – e fugi do Dark na hora!

Eu ainda estava tentando chegar ao bar quando veio um clarão no meus olhos e uma voz ecoou: ” Atenção pintosas vai começar o show das drags”. Sim, o Sexy Rose é um parque de diversões e tem até show de drag. Duas drags suburbanas da melhor qualidade começaram a se apresentar. Figurino minimalista, perucas recicladas e maquiagem sustentável a base de aquarela Faber-Castell, Lindas! As bonitas faziam o show na frente do bar, no solo mesmo, com o povo passando de um lado pra outro. Muita gente vendo e as luzes acessas, a Dark Room (king size) ficou vazia, mas a pequena dark lotou. As drags não paravam, o povo ficando puto com as luzes acessas e eu querendo tombar elas. Um drag passou uma sacolinha para arrecadar uns trocados. Ao passar por mim, joguei meu olhar fuzilante e ela pediu desculpas. Na última apresentação, a drag maaaaais bueiro de todas, rodou tanto, tanto, tanto, mais tanto que quase levantou voo! O melhor é a cara da beesha ofegante figindo que não está tonta e que o cabelo era natural.

corpos em transe

corpos em transe

Finalmente apagaram as luzes e a função começou. As beeshas pareciam estar sedentas mais que nunca e ai, já viu né, foi aquele pega-pra-capar. As motoserras se jogaram no dark room king size e de lá não saiam mais. Só encostavam na parede e empinavam a bundinha. Eu catei um cara alto e todo de preto social. Nem conto, que delícia! Que delícia. Depois dele resolvi ir embora. No balcão um pilha enorme de bolsas e mochilas, o que é o melhor indicativo para saber se o lugar tá bombando ou não. No lado de fora, num barzinho em frente mais cafuçus me olharam, mas isso é outra história. No meu próximo post que sabe se lá quando vou escrever de amanhã, contarei sobre minha ida ao inferninho mais bagaceira do Rio, o nome já diz tudo: Buraco da Lacraia!

Serviço (pra fervidas): Sexy Rose, Rua Alvaro Alvim, 37, loja 6, Centro, Rio de Janeiro. Atrás do Cine Odeon, na Cinelândia. Telefone: 2532-6262. Mais que isso só um link no Google Earth!