Histórias de Transcol #1


transcolLembram quando acabava ‘Páginas da Vida’? “Vou te contar…” Falarei, como havia prometido, de algumas histórias que já aconteceram comigo no Transcol.

Essa foi há uns 4 anos, na época ninguém, absolutamente ninguém sabia sobre a minha (homo)sexualidade e começou fora do ônibus ainda.

Eu saía de casa quando dei de cara com um homem interessante: alto, bastante magro, cabelos loiros em início de calvice, olhos azuis, um lindo e largo sorriso, na faixa de uns 34 anos. Nos olhamos descaradamente. Fomos andando com ele um pouco a frente sempre se virando e me olhando (lembram da dica?) e eu correspondendo. Chegamos ao ponto e continuamos nesse processo. Nessas situações já começo a ficar excitado. Paramos um ônibus, um ônibus que em uma parte do trecho fica vazio pois ninguém pega por ser mais demoarado. O motorista falou exatamente isso quando fomos entrar. O engraçado foi que, apesar de estar claro que não nos conhecíamos, nos entreolhamos como quem diz ‘Vamos nesse?’. E fomos.

O ônibus estava absolutamente vazio, encaminhamos para o fundão do ônibus, cada um ed lado, cada um em uma janela.

Hummm, pára alguém pode ver!

"Hummm, pára alguém pode ver!"

Em tempo, eu estava usando um óculos escuros enormes e MP3 na orelha. Ficamos nessa situação, nos olhando. De repente, eu fiquei chocado: o cara tirou o pau para fora , já estourando de duro!!! Olhei para ele com cara de pavor, como quem diz “Você está louco?!” E ele, de volta, sorriu sacana. Ah, bee, o que eu podia fazer? Fiquei olhando, né?! E o cara cariciava seu pirú e me olhava provocante, eu fazendo carão olhava para ele (no fundo estava trancando de medo!), Num certo momento entrou uma passageira e sentou exatamente na frente dele. Você acha que ele parou, bee?! NADA! Ele me punha cada vez mais apavorado!!! E ele parecia se divertir! Só parou com essa sacanagem quando chegou um 4º passageiro e sentou na minha frente. Mesmo assim, continuamos nos olhando. Ele então, movendo  muito os lábios me perguntou, sem emitir som, se eu estaria no meu bairro a noite. Respondi que sim com a cabeça. Ele pegou um cartão em sua bolsa e pôs seu nome e telefone no verso e me deu.

Acabou que descemos juntos no terminal. Conversamos, rimos do que ele tinha feito e combinamos algo para a noite. Ele estava ficando no meu bairro na casa de um amigo dele que estava viajando. Nossa, gata, que sexo foi aquele!!! MA-RA! Lembro-me tão bem dele porque foi minha primeira e mais louca história de Transcol e por ter sido o primeiro a me dar muito prazer com um determinado tipo de sexo. Tanto que, na época, eu acabei ficando apaixonadinho e até escrevi poemas. Ai, que vergonha! Bem, é isso. Um beijinho doce para todos!!!

4 comentários sobre “Histórias de Transcol #1

  1. Puxa vida hem? huhauhaauhuhha que historia. Eu tambem tenho historia de trasncol mais nao muito boa pq briguei com o cara me encochando ahuahuhauhauhuhh !!!! onibus cheio, em fim.. hehehe abafa !!!!

  2. Ai amigaaaaaaaa que derrotaaaaaaaaaa Dé
    Não pode ser apaixonar por pegação de transcol nem de banheiro nem de shop e nem de lugares publicos
    O ngocio é fazer o negocio aguendá o baco e pronto !!
    Fikadica!!
    OBS: E nada de pegar telefone e nem nome ..rs

Comenta, beesha!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s